Para boa parte da população, a chegada do fim do ano representa uma oportunidade de reencontrar os amigos, confraternizar e, por que não, aproveitar os prazeres de uma mesa farta. Afinal, quem não gosta de um bom churrasco ou de um belo jantar em família? Este ano, ao que tudo indica, a conta do supermercado deve ficar um pouco mais leve para quem não abre mão dos itens essenciais da mesa brasileira: isso porque, segundo uma pesquisa do Procon de Jaraguá do Sul, o preço da cesta básica apresentou redução de 12,2% em novembro, frente ao mesmo mês do ano passado. De acordo com o levantamento, enquanto em novembro de 2016 era necessário desembolsar R$ 55,02 para comprar os 13 itens que integram a cesta básica no município, este ano o consumidor pode levar os mesmos produtos pelo valor de R$ 48,28, uma diferença de R$ 6,70. O valor é o mais baixo para um mês de novembro desde 2014, quando os itens da cesta somavam R$ 47,02. Alimentos que ficaram mais baratos É difícil saber se os preços continuarão mais atrativos em dezembro, mas quem resolver garantir alguns itens ainda este mês vai poder notar algumas reduções representativas. O feijão preto, por exemplo, lidera a lista dos alimentos que ficaram mais baratos este ano, com queda de 60% no preço frente ao ano passado. Para se ter uma ideia, enquanto em novembro de 2016 o pacote mais barato de um quilo estava quase R$ 6,00, este ano é possível encontrar o produto por até R$ 2,39 nas prateleiras de alguns supermercados, aponta o levantamento do Procon. A diferença no preço se deve, em grande parte, ao fato de que o feijão preto passou por período de alta no fim do ano passado. Além do clima, que prejudicou a produção em todo o país, a safra reduzida de feijão carioca impulsionou a procura pelo feijão preto, que fechou o ano com alta de 78,6%, segundo dados do IBGE. O produto foi um dos principais vilões da inflação no ano passado, que fechou em 7,52%. Agora, com a procura e a produção dentro do esperado, o item volta a patamares mais aceitáveis. Além do feijão preto, o açúcar refinado também ficou mais em conta passando de R$ 2,59 em novembro de 2016 para R$ 1,37 este ano, levando em conta as marcas mais baratas disponíveis nos mercados. A redução representa uma queda de 47,1% no preço do produto, indica a pesquisa. O arroz e a batata suja completam a lista dos alimentos que ficaram mais em conta, com retração de 21,3% e 16,2% no período, respectivamente. Produtos que ficaram mais caros  Dentre os produtos que apresentaram alta no preço, a manteiga é a que mais deve pesar no bolso dos consumidores – dos R$ 4,48 registrados em novembro do ano passado, o item passou para R$ 5,39 no início deste mês, um aumento de 20,3%. O tomate também ficou mais caro, com o preço do quilo subindo de R$ 1,79 para R$ 1,95 no período, alta de 8,9%. Fechando o topo da lista está o café em pó com aumento de 3,5%. Cesta básica subiu 2,2% na comparação com outubro Apesar de estar mais barata do que o ano passado, a cesta básica apresentou um leve aumento na comparação mensal, com alta de 2,2% em novembro, frente ao mês de outubro deste ano. Segundo a pesquisa do Procon, no décimo mês do ano era possível comprar todos os itens da cesta por R$ 47,22. O produto que registrou o maior aumento entre outubro e novembro foi o óleo de soja, que teve alta de 15%, passando de R$ 2,39 em outubro para R$ 2,75 em novembro. Também tiveram aumento o coxão mole (13,1%) e a manteiga (8,4%). Entre os itens que tiveram redução no preço entre o décimo e o nono mês do ano estão o feijão preto (-22,9%), o pão francês (-20,0%) e o açúcar refinado (-18,9%). Este ano, o mês em que a cesta estava mais cara foi abril, quando era preciso desembolsar R$ 54,10 para garantir itens básicos da cozinha. Apesar de vários itens terem registrado queda nos preços em abril, o aumento de 107,5% no preço do pão francês e de 72,9% no café impulsionaram os custos com mercado na cidade. De olho na conta do mercado Veja quais produtos da cesta básica ficaram mais baratos e quais tiveram alta no preço em Jaraguá do Sul no início de novembro, frente ao mesmo mês do ano passado.