A semana começou confusa para milhões de pessoas que usam, diariamente, redes sociais, como Instagram e Facebook, e app de mensagens, como WhatsApp. A pane que atingiu as plataformas interrompeu o fluxo normal do dia e também prejudicou muitos negócios, que dependem quase que inteiramente dos aplicativos para vender.

Conforme o especialista em direito empresarial e digital Raphael Rocha Lopes, o acontecimento foi uma oportunidade de repensar e refletir sobre como somos condicionados às redes e vulneráveis às instabilidades delas. “E se a internet parasse definitiva e completamente mesmo? Qual seria o nível do caos?, contextualiza.

Segundo ele, uma coisa é certa: ficaríamos sem contato, sem energia, sem combustível e transporte, sem noção do que estaria realmente acontecendo.

“A ideia desta possibilidade não é nada agradável. Ficamos tão dependentes da tecnologia, mais especificamente da internet, que uma pane mundial nos lembraria da primeira cena do filme 2001 - Uma odisseia no espaço”, comenta.

Mas, a probabilidade disso acontecer é muito remota. “Mesmo que haja um superataque terrorista, ou explosão vulcânica, terremoto ou tsunami monstruosos. A rede foi pensada para não isolar o mundo todo ao mesmo tempo, apesar de alguns países estarem pensando em criar uma internet só deles”, esclarece.