Nesta sexta-feira, dia 24, as lojas físicas e virtuais de todo o Brasil prometem oferecer uma série de ofertas especiais para quem deseja garantir o presente de Natal da família ou comprar aquele agradinho com o qual sempre sonhou. Em sua sétima edição no Brasil, a Black Friday é uma das maiores liquidações do varejo mundial e deve crescer 15% este ano no país, movimentando R$ 2,1 bilhões em compras no comércio brasileiro. Entretanto, mesmo consolidada, a liquidação ainda é alvo de muita polêmica quando o assunto é transparência, especialmente após as primeiras edições onde as más práticas renderam à campanha o apelido de “Black Fraude”. Pesquisas mostram, por exemplo, que muitos brasileiros anseiam aproveitar as ofertas, mas a credibilidade do evento ainda está em baixa com boa parte dos consumidores. Segundo um levantamento do Serasa, três em cada dez brasileiros pretendem comprar na Black Friday este ano, dos quais 90% estão otimistas sobre conseguir bons descontos na data. Por outro lado, uma pesquisa da FGV mostra que, no geral, 74% dos consumidores ainda acreditam que poucas promoções são reais e que boa parte das ofertas são mascaradas. Fato é que, diante de tantas opções, é possível sim encontrar produtos com preços atrativos, basta saber onde procurar. De acordo com a diretora do Procon de Jaraguá do Sul, Samira Leutprecht, alguns cuidados básicos ajudam a garantir uma compra vantajosa sem dor de cabeça. “Para não ter surpresas desagradáveis, o consumidor deve escolher um estabelecimento idôneo, exigindo por escrito qualquer vantagem prometida na hora da compra. É importante testar o produto antes de efetivar a compra, no caso das lojas físicas, e sempre exigir nota fiscal em qualquer compra”, exemplifica ela. Estima-se que 37% dos consumidores aproveite a data para comprar eletroeletrônicos, enquanto 21% opte pelas roupas e calçados e 18% tenham como foco os aparelhos de telefonia. “Quando o produto precisar ser entregue em domicílio, não se pode esquecer de solicitar um documento escrito com o prazo de entrega e demais informações determinadas na Lei Estadual nº 15.779/2012. Importante lembrar, também, de conferir se o frete é gratuito ou se o custo vai ser repassado ao consumidor”, salienta Samira. A recomendação é só receber o produto após conferência, para garantir que esteja de acordo com o informado no ato da compra. Segundo Samira, o consumidor deve realizar os pagamentos somente por meios conhecidos, evitando depósitos ou transferências em nome de empresas e pessoas desconhecidas. Para não cair nas faltas promoções, a dica é tirar “print” e registrar as etapas da compra, garantindo os direitos caso a cobrança ou o produto sejam diferentes do prometido. “Pesquisa o preço antes da Black Friday também é importante, para que se possa comparar se o preço sofreu mesmo uma redução ou se não está ‘pagando a metade do dobro’”, destaca a diretora do Procon. Comparar o preço do produto em vários fornecedores também ajuda a identificar se a oferta é realmente atrativa. “É importante lembrar também que o consumidor pode desistir da compra feita fora do estabelecimento, como na internet, num prazo de até sete dias, sem precisar de motivação”, relembra Samira. Em caso de dúvidas, vale sempre consultar o código do consumidor ou procurar o auxílio de órgãos como o Procon. “No mais, sempre se questione se você realmente precisa daquele item e se a compra vale mesmo a pena”, aconselha Samira.   Cinco dicas para fazer boas compras na Black Friday
  1. Pesquise muito e acompanhe as variações de preço
Nas primeiras edições da Black Friday no Brasil, a prática de aumentar o preço para então dar um falso desconto rendeu à promoção o apelido de “Black Fraude”. Desde lá, entretanto, muitas ferramentas surgiram para auxiliar o consumidor a comparar e acompanhar a evolução dos preços. O site Olhar Digital, por exemplo, criou o OD Ofertas, um complemento para Google Chrome que monta um gráfico com a evolução do preço nos últimos dias. Sites como Buscapé, Zoom e Já Cotei são ótimas ferramentas para comparar os preços, além de oferecerem listas com as melhores ofertas. No caso das lojas físicas, o trabalho é maior, mas dependendo o produto vale a pena acompanhar a variação de preço diariamente para garantir que a oferta será boa.  
  1. Busque referências sobre o site ou a loja escolhida
Nada como conhecer a experiência de compra de outro consumidor para conhecer melhor a idoneidade da loja. Converse com amigos e familiares para saber se algum deles já comprou naquela loja ou site e qual foi a análise deles sobre a experiência. Muitos fóruns nas redes sociais também ajudam a sanar dúvidas. Além disso, sites como o portal Ebit e o Reclame Aqui utilizam o relato dos consumidores para criar índices de satisfação ou elencar os possíveis problemas tidos durante a compra.  
  1. Fique atento aos anúncios e links com ofertas
Muitas lojas aproveitam os e-mails e aplicativos para fazer propaganda de suas principais ofertas, mas estas ferramentas também estão entre os principais alvos dos golpes. Por isso, todo o cuidado é pouco. Quando for conferir alguma oferta enviada pelo e-mail, certifique-se de que você realmente se cadastrou para receber as informações daquela loja antes de clicar. Já nos aplicativos, a dica é pesquisar antes para ter certeza de que a loja é confiável e ficar atento ao perfil do site que será aberto no seu navegador.  
  1. Aposte nos testadores de links
Uma boa forma de se manter protegido contra golpes é utilizar os chamados testadores de link, ferramentas online que ajudam a verificar se o site é seguro ou não. O DFNDR Lab analisa qualquer link da web, por exemplo, enquanto o Avast Online Security faz a checagem dos resultados apresentados na pesquisa do Google por meio de um complemento para o navegador Chrome. Observar o estilo da página também pode ajudar a identificar sites falsos. Seja no computador ou no celular, o site sempre deve ter um cadeado no canto esquerdo da barra para indicar que a conexão é segura. Domínios registrados e com certificado de segurança também são características de páginas confiáveis.  
  1. Confira as condições de entrega e detalhes do produto
Na hora da compra, é importante checar certos detalhes para garantir que o produto está dentro do esperado. Checar as condições do item, verificar qual o ano e modelo do produto, se é item de mostruário, quais as condições de entrega, preço do frete e métodos de pagamento são algumas medidas que ajudam a evitar problemas. Na internet, é sempre bom ficar atento às imagens ilustrativas, que muitas vezes não refletem exatamente a realidade do produto. Verifique medidas, cores e outros detalhes que possam ser relevantes. Fique ligado: para ajudar os consumidores, o Procon de Santa Catarina criou uma lista indicando os sites não confiáveis para compras no Brasil. A lista pode ser acessada no site da entidade, por meio do link www.procon.sc.gov.br/imagens/nao_confiaveis.pfd. Para quem deseja ampliar a busca, a Fundação Procon de São Paulo também listou os sites não confiáveis no link http://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite.