2019 tem sido um ano de conquistas para o Grupo Duas Rodas, agraciado com a Ordem de Mérito Industrial pela Fiesc em maio e com uma grande expansão de sua fábrica de pastas e variegatos que triplicou a capacidade produtiva destes produtos.

Ao mesmo tempo, o ano tem sido um período de preocupação e esfriamento da economia como um todo. Não apenas o país não tem crescido como esperado, mas no primeiro trimestre do ano, foi registrada queda no Produto Interno Bruto (PIB), levando ao temor de uma nova recessão.

Para tratar deste momento para a empresa, para Jaraguá do Sul e para o país, conversamos com o presidente da Duas Rodas, Leonardo Fausto Zipf.

Como o senhor avalia o atual momento que o país vive?

O Brasil vive um momento de reconstrução. As reformas da previdência e tributária são fundamentais. Também entendo como necessário o aprofundamento de uma reforma política no Brasil, que possibilite promover uma maior agilidade nas aprovações do Congresso Nacional.

 

O Brasil tem condições de crescer. Mas, para isso, é importante que toda a sociedade se empenhe na transformação de nosso País e que uma bandeira permaneça hasteada permanentemente: a bandeira anticorrupção.

 

O PIB deve ficar com crescimento em torno de 2% a partir do ano que vem e a taxa de desemprego também deve reduzir um pouco. E, a partir dos movimentos de aprovações no Congresso das medidas tão emergenciais, acredito que teremos uma lenta retomada da economia.

O que o futuro aguarda para a Duas Rodas?

A Duas Rodas vem desenvolvendo um processo de inovação disruptiva e colaborativa, com a implementação de nosso Innovation Center e com um trabalho focado na consolidação da cultura de inovação dentro da organização, que nos possibilita estarmos preparados para os desafios do mercado.

 

Isso exercita em toda a empresa a capacidade de pensar quebrando paradigmas e de conceituar os movimentos do consumidor para mapear as transformações necessárias para o seu crescimento.

 

Temos 93 anos de história, mas coma resiliência, flexibilidade e agilidade que demandam os tempos modernos.

A Duas Rodas se aproxima do centenário. Qual a importância deste legado para o futuro?

Um dos legados mais significativos é a capacidade de compreender que os nossos colaboradores têm uma importância muito grande no que representa e no que representará a nossa empresa no futuro.

 

A motivação para continuar impulsionando a nossa empresa a expandir e a ganhar mercados está fortemente marcada em nosso DNA. A inquietude permanente nos move há 93 anos, transformando a Duas Rodas em protagonista de uma história de inovação.

 

Sem dúvidas, podemos afirmar hoje que a força da marca da Duas Rodas transcende a soma de todos os elementos que a compõem.

Quais os maiores desafios para a empresa no presente? E para a economia como um todo?

Inovar. É preciso realizar o faturamento da inovação e não ficar só no discurso. Colocá-lo na prática efetivamente. E, para isso, é importante que exista demanda à inovação que é proposta ao mercado.

 

Investimos em inovação incremental e disruptiva com foco na realização. E é justamente este posicionamento que assegurou que 18,1% do faturamento deste ano viesse de novos produtos.

 O país tem saído lentamente de um ciclo de recessão. Como a crise afetou a Duas Rodas? Qual a perspectiva para a recuperação plena da nossa economia?

Mesmo no período de crise, nós crescemos ano a ano. Não que não tenhamos sentido o ambiente desfavorável que o Brasil enfrentou e vem enfrentando.

 

Mas a nossa resiliência permitiu nos remodelarmos e nos adaptarmos para mantermos a geração de lucro, a geração de bons indicadores financeiros, mesmo com taxas de crescimento inferiores às planejadas.

O senhor foi recentemente agraciado com a ordem de mérito industrial, o que essa honraria representa para você e para a Duas Rodas?

É uma honraria que nos orgulha pelo trabalho desenvolvimento de forma coletiva. Um reconhecimento que fazemos questão de compartilhar com todas as gerações, desde os fundadores, que conduziram o crescimento e a consolidação da Duas Rodas ao longo de suas 9 décadas de história, e com toda a equipe de colaboradores.