Neuralink, de Elon Musk, obtém autorização para testar chips cerebrais em humanos nos EUA

Divulgação/Neuralink

Por: Pedro Leal

03/06/2023 - 15:06 - Atualizada em: 03/06/2023 - 15:16

A Neuralink, startup de neurotecnologia cofundada por Elon Musk, está oficialmente aprovada pela Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), a realizar estudos clínicos usando implantes cerebrais em humanos.

As informações são da CNN.

“Este é o resultado de um trabalho incrível da equipe Neuralink em estreita colaboração com o FDA e representa um primeiro passo importante que um dia permitirá que nossa tecnologia ajude muitas pessoas”, celebrou a empresa na quinta-feira, 25, pelo Twitter.

De acordo com informações da CNBC, a extensão do estudo aprovado ainda não é conhecida e o recrutamento de pacientes para o ensaio ainda não está aberto. A ideia, no entanto, será tratar doenças graves – consideradas sem cura.

Ainda segundo a publicação, a empresa, fundada em 2016, está construindo um implante cerebral intitulado de “Link”, que visa ajudar pacientes com paralisia severa a controlar tecnologias externas usando apenas sinais neurais.

O tratamento seria para pessoas que sofrem de doenças degenerativas graves, como ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica). Caso o sistema dê certo, elas poderiam recuperar a capacidade de se comunicar com seus entes queridos movendo cursores e digitando com suas mentes.

Investigações

Segundo a Reuters, a Neuralink é alvo de investigação por possíveis violações da Lei de Bem-Estar Animal norte-americana.

Funcionários disseram a agência que no último ano a empresa estaria apressando e estragando cirurgias em macacos, porcos e ovelhas, resultando em mortes desnecessárias dos animais, enquanto Musk pressionava a equipe para receber a aprovação do FDA.

Deputados dos Estados Unidos também pediram uma investigação para apurar se a composição de um painel que supervisiona os testes em animais na Neuralink contribuiu para experimentos malsucedidos.

Além disso, o Departamento de Transporte está investigando se a startup transportou ilegalmente patógenos perigosos em chips removidos de cérebros de macacos sem medidas de contenção adequadas.