Crise no setor carbonífero da região.

Em assembleia realizada na manhã deste sábado, os mineiros decidiram pela greve, que começa a partir desta segunda-feira com os trabalhadores da Carbonífera Metropolitana, em Treviso.

São quase 800 funcionários atuantes na empresa.

A medida, de paralisação aos poucos e por empresa, foi decidida pelos próprios trabalhadores para não prejudicar tanto o setor como para tentar avançar as negociações.

A assembleia foi realizada em Siderópolis e reuniu cerca de 300 funcionários da mineração.

Caso as negociações não avancem, dois mil trabalhadores devem paralisar nos próximos dias.

Reajuste

A classe pede reajuste de 7%, unificação do piso salarial, plano de saúde, alimentação mais digna e estabilidade após a aposentadoria.

Conforme a categoria, o Sindicato das Indústrias de Extração de Carvão Mineral do Estado de Santa Catarina (Siecesc) ofereceu 5,15% de reajuste para os que recebem abaixo do piso e, 5,88%, para os que recebem.

As negociações prosseguem e caso não sejam aceitas as condições, os mineiros ressaltam que haverá, então, greve geral.

Empresas a paralisar

1- Metropolitana dia 24/02

2- Rio Deserto dia 26/02

3- Beluno dia 02/03

4- Catarinense dia 04/03