Santa Catarina segue forte no Movimento Unidos pela Vacina, iniciativa liderada pela empresária Luiza Helena Trajano, presidente do Grupo Mulheres do Brasil, e suas 84 mil voluntárias.

Todos os seis núcleos do Estado se uniram para mobilizar as prefeituras a preencherem um questionário descrevendo as necessidades para que a vacinação seja agilizada e a proposta de vacinar todos os brasileiros até setembro deste ano seja alcançada.

Agora, a segunda etapa em SC é atrair empresários que adotem uma cidade/prefeitura para doar o que for necessário para suprir as demandas fundamentais.

Para isso, a empresária Sônia Hess, co-fundadora do Grupo Mulheres do Brasil estará em uma live com a jornalista Laine Valgas, nesta quarta-feira (7)l, às 17h30, no canal do grupo no youtube.

No evento, o público poderá saber mais sobre o Movimento Unidos pela Vacina, as reais necessidades de cada região do Estado e como cada catarinense pode fazer a sua parte para ajudar.

Segundo Luiza Helena Trajano, a ideia surgiu no final do ano passado, com a campanha de conscientização Vacina para Todos, do Grupo Mulheres do Brasil.

“A partir dali, tentamos entender como poderíamos ajudar e concluímos que era preciso partir para uma ação efetiva. Foi quando esse movimento passou por uma transformação, trouxemos mais parceiros, empresários e executivos de diferentes setores e organizações não governamentais e surgiu o Unidos pela Vacina”, explica a empresária.

Apartidário, o movimento pretende contribuir em diversas frentes de trabalho que fazem a interface com o Governo Federal, com os Estados, secretarias de saúde, municípios e meios de comunicação.

O objetivo é que não haja entraves para que a vacina chegue o mais rápido possível a todos os cantos do Brasil.

O movimento já tem ações concretas. Há um subgrupo que faz interface com os estados, outro focado nos municípios e secretarias de saúde municipais mapeando os possíveis pontos que exigem atenção e, assim, o movimento ajudará a fazer as pontes necessárias.

“Graças aos nossos cientistas, ao SUS, nós temos as vacinas. E agora, nós vamos trabalhar para que nenhum entrave, de qualquer natureza, impeça que as vacinas cheguem a qualquer ponto do país, seja nos grandes centros, seja no interior mais remoto, nas comunidades ou populações ribeirinhas. Vamos juntos, cumprir essa meta de ter vacinas para todos os brasileiros até setembro deste ano”, conclui Luiza Helena Trajano.