Na sessão desta terça-feira (24) na Câmara Municipal de Jaraguá do Sul, o vereador Luís Fernando Almeida (MDB) afirmou que se reuniu com representantes do Jaraguá do Sul Park Shopping e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) para levar uma demanda da Associação de Motoboys e Motogirls do município.

Segundo ele, os profissionais reivindicavam um espaço para que eles pudessem estacionar suas motos enquanto buscam as encomendas das lojas do centro comercial.

Conseguiram. Agora o Shopping conta com uma zona exclusiva para os entregadores poderem parar suas motos e realizar suas atividades. Almeida lembra que, antes disso, os trabalhadores tinham que carregar e descarregar suas mochilas em baixo de forte sol ou de chuva.

O parlamentar vem buscando melhorias para a categoria já há algum tempo. Ele lembra que, no mês passado, fez um pedido à Prefeitura jaraguaense de reavaliação dos critérios adotados no novo sistema de estacionamento rotativo do município. A reivindicação é para que seja oferecida aos motoboys da cidade a ampliação do tempo de tolerância para que eles possam estacionar gratuitamente.

Almeida, que é líder de governo no Legislativo, explicou que o novo modelo de estacionamento rotativo, adotado em 2022, estipula a tolerância máxima de 10 minutos de parada sem pagamento de taxa. Porém, ele afirma que esse prazo, em muitas oportunidades, é insuficiente para que os motofretistas façam suas entregas em tempo hábil, tendo em vista as adversidades do ofício, como a espera pelo cliente, as dificuldades de localizar o endereço, entre outros contratempos.

Almeida também informa que conseguiu junto à Secretaria Municipal de Planejamento e Urbanismo a disponibilização de três vagas de estacionamento gratuitas para os motoboys em frente ao Museu da Paz, na Av. Getúlio Vargas. O local fica próximo ao Jaraguá do Sul Park Shopping e vai servir para que os profissionais possam estacionar as motos enquanto esperam por novas encomendas.

“Vai propiciar um melhor conforto e comodidade a essa categoria que muito nos auxiliou, principalmente, durante a pandemia de coronavírus. Não seria agora que nós iríamos deixar de atender a essa classe. Vamos continuar cobrando e dialogando com o Executivo para que mais melhorias venham”, frisou.