A UniSociesc, parte do Ecossistema Ânima de Educação, inaugura nesta terça-feira (17), às 15h30, o novo laboratório de tecnologia chamado MenLab, em Jaraguá do Sul. O evento terá transmissão online. O laboratório é uma parceria com o Grupo Menegotti, indústria com mais de 80 anos de atuação no mercado.

O objetivo da iniciativa é estabelecer um espaço de trocas para potencializar o ensino nas áreas de Engenharia e Tecnologia, bem como conectar estudantes com o mundo do trabalho para a criação e implementação de soluções tecnológicas que garantirão maior assertividade à indústria da construção civil.

O Grupo Menegotti tem fortalecido o investimento em ações de inovação para fomentar a criatividade e a competitividade. Depois de lançar o próprio Programa de Inovação, agora, a empresa firma parceria com a Unisociesc para implementar o MenLab. Líder de mercado, focada em inovação, escolheu esse espaço para unir a academia ao setor privado.

Conforme a CEO do Grupo Menegotti, Pauline Menegotti Horn, a iniciativa é um passo importante na jornada que a empresa vem construindo dentro do segmento.

“Começamos 2021 lançando o nosso próprio Programa de Inovação, no qual buscamos transformar novas ideias em sucesso. Agora, estamos reunindo o aspecto acadêmico ao empresarial, incentivando, assim, a inovação aberta”, afirma.

No laboratório de inovação “MenLab”, os alunos e professores da UniSociesc trabalharão com os profissionais do Grupo Menegotti, atuando em desafios reais, com foco em inovação e novas tecnologias, em um ambiente moderno e inspirador.

Segundo o diretor da UniSociesc, Flávio Sartori, o MenLab tem como objetivo o desenvolvimento de ensino, pesquisa e extensão para que os alunos façam uma análise crítica dos equipamentos utilizados e fabricados pela Menegotti Lab, por meio de estudos que irão gerar relatórios para possíveis intervenções de melhorias.

“É a indústria conectada ao ecossistema de aprendizagem para agregar no conhecimento dos alunos, com maquinários que são de última geração, aliado ao ensino, que vai propor possíveis alterações ou não nesses equipamentos fabricados pela pela empresa”, afirma Sartori.