Apesar de ter desacelerado, o mercado de trabalho formal ainda registrou saldo positivo em março, com a criação de 184.140 empregos com carteira assinada no país. Em Jaraguá do Sul, este saldo foi de 1.241 vagas, quase 12 vezes o saldo de março de 2020, de 106 postos.

Resultado de 1.608.007 admissões e 1.423.867 desligamentos, o número é 53,4% menor que as mais de 395 mil vagas abertas em fevereiro (total revisado), quando o resultado foi recorde histórico.

Os números foram divulgados pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia nesta quarta-feira (28), e são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

No primeiro trimestre do ano, o Brasil acumula criação de 837.074 vagas de trabalho formal, quase oito vezes o registrado no mesmo período do ano passado.

Tanto no trimestre como no resultado mensal, o saldo foi puxado pelo setor de serviços, que sozinho criou 95.553 empregos em março e 341.246 no acumulado dos três primeiros meses. Os números surpreendem, já que o setor é um dos mais afetados pelas medidas de distanciamento social.

Os demais setores da atividade econômica também registraram saldo positivo em março e no acumulado do ano. Os menores saldos foram na agropecuária, setor que liderou a criação de empregos formais no ano passado, com 3.535 e 60.575 vagas em março e no primeiro trimestre, respectivamente.

De acordo com o ministério da Economia, 3.152.722 trabalhadores tiveram seu emprego garantido em março por conta de acordo realizado em 2020 por meio do programa de proteção e manutenção do emprego, o BEm.

Considerado bem-sucedido para a preservação do emprego em meio à crise econômica, o BEm será reeditado. No ano passado, 9.849.114 trabalhadores realizaram 20.120.310 acordos. Destes, 8.765.794 foram de suspensão e 11.171.947 foram de redução de jornada e salários. Os outros 182.569 são de trabalho intermitente.