O ano ainda não terminou, mas os números deste ano da agência do Sistema Nacional do Emprego (Sine), em Jaraguá do Sul, já apontam para uma reação do mercado de trabalho no município. “Um dos sintomas desta retomada está na emissão da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) na própria agência. Ao longo de 2016 foram emitidas 520 unidades. Até o fim da semana passada, este número era de 2.568 carteiras, ou seja um aumento de 393,8%”, apontou o coordenador local do Sine, Ronnie Lux. Outro índice positivo é o total de candidatos encaminhados ao empregador. Ao todo, 4.113 registros de encaminhamentos contrastam com os 491 do ano passado, um incremento de 737,6%. No ano de 2017, foram abertas no Sine 1.178 vagas, um saldo positivo frente às 491 registradas no ano passado. Destes encaminhamentos, 271 candidatos conseguiram ser recolocados no mercado de trabalho, contra o 53 no mesmo período em 2016, ou seja um aumento de 411%. Da mesma forma, o número de requisições do seguro-desemprego diminuiu de 8.800 no ano passado para 6.956 até o momento, em 2017 (diminuição de 21%), o que demonstra que, apesar da reação do mercado de trabalho, o quadro da economia está em recuperação. Ronnie Lux pondera que houve um redirecionamento na dinâmica do atendimento no Sine o que contribuiu para agilizar o cadastrado e o encaminhamento de trabalhadores aos postos de trabalho. “A emissão de carteiras que levava de três a cinco meses e hoje conseguimos baixar esse número para 15 dias. Já o agendamento do seguro-desemprego, que tinha um prazo de 20 dias, hoje pode ser feito no mesmo dia”, observa. O coordenador do Sine explica ainda que isso foi possível graças à redistribuição do atendimento de forma a destinar o período da manhã exclusivamente para quem já tinha agendamento e a parte da tarde para emissão da Carteira de Trabalho e entrada no seguro-desemprego. “A partir do momento que ocorre uma falta, automaticamente o primeiro da lista do agendamento é acionado”, concluiu. Depois de dez meses de busca, a almejada colocação Depois de amargar por dez meses percorrendo agências de emprego e cadastrando currículos on-line em praticamente todas as empresas da região que usam este sistema, o trabalhador que prefere não se identificar, mas faz questão de contar seu drama pessoal, conseguiu emprego como chefe de expedição em uma empresa local. Um alívio para ele, que estava em casa à beira de uma depressão, acumulando quilos e quilos e sem ânimo até mesmo para brincar com o casal de filhos ou acompanhá-los nas atividades do dia-a-dia. “O salário é bem menor do que o esperado, pois não chega a um salário mínimo e meio para uma vaga de tanta responsabilidade, mas de estou de volta ao mercado de trabalho, no auge de minha vida produtiva e cheio de planos para o futuro”, comemora o trabalhador, que lembra da importância de não se abandonar os estudos também. *Com informações da assessoria de imprensa da Prefeitura