Quem busca ampliar seu negócio ou se instalar em São Bento do Sul agora conta com um importante aliado. O Levantamento de Oportunidades, estudo feito pelo Sebrae/SC por meio de parceria com o governo do Município. A ação faz parte do Programa São Bento Empreendedora, e visa nortear micros, pequenos empresários e grandes investidores, sobre os potenciais de desenvolvimento econômico atuais e para a próxima década.

Entregue no mês de setembro, o documento possui 132 páginas e está organizado em seis capítulos, divididos em recursos físicos existentes em São Bento do Sul, sejam eles naturais (geológicos, espaciais e de energia) e de infraestrutura. Além disso, a análise baseou-se nas principais atividades econômicas (em termos de geração de ICMS) e quais oportunidades estas podem impulsionar (olhando sua cadeia produtiva).

Outro ponto importante foi identificar as oportunidades portadoras de futuro, ou seja, aquelas que podem ser impulsionadas dentro do município a partir de suas vocações e, principalmente, do que está se desenvolvendo dentro das universidades.

“O estudo possui informações relevantes para direcionarmos ações, visando apoiar os novos empreendedores locais no aproveitamento das oportunidades apontadas, alavancando assim, o desenvolvimento econômico do município", comenta o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de São Bento do Sul, Adelino Denk.

Confira alguns aspectos do documento e uma análise da atividade moveleira, considerada uma das mais importantes em termos de arrecadação para o município.

Economia e geração de empregos

Segundo o movimento econômico do Município, os três segmentos com maior representatividade são: fabricação de móveis, metalmecânico e comércio varejista. Tem ainda expressiva representatividade, o setor de serviços e a fabricação de produtos de minerais não metálicos e fabricação de produtos diversos.

Diagnostico do setor moveleiro

O Levantamento de Oportunidades mostra que a fabricação de móveis tem papel importante na economia de São Bento do Sul e contribui com 17,4% do VAF (Valor Adicionado Fiscal – Dados de 2015). São 267 empresas do segmento, entre as quais 13 são de médio porte. Ao todo, elas geram 4.936 empregos.

Nos últimos anos, a queda nas exportações atingiu diretamente as empresas deste segmento no município. Os números relevam que, até 2010, Santa Catarina representava 50% da exportação de móveis brasileiros. Em 2011, esse percentual caiu para 26,6%. O impacto foi sentido diretamente em São Bento do Sul, maior exportadora do Estado.

Em contrapartida, as importações brasileiras de móveis cresceram consideravelmente, o que, segundo o documento, mostra a necessidade de melhorar a competitividade das empresas de móveis da cidade. Para isso, o adensamento da cadeia produtiva e investimentos em tecnologia e inovação são apontados como estratégicos para o setor.

O segmento moveleiro, de acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de São Bento do Sul, Adelino Denk, sempre foi um dos principais segmentos econômicos de São Bento do Sul, gerando emprego e renda. Após as crises na economia brasileira, concentrou a produção para a exportação, especialmente a partir da década de 90 e com a forte oscilação do câmbio, após a crise internacional de 2008, o setor sofreu nova retração.

“Com a expectativa de maior estabilidade cambial e retomada do crescimento econômico, o setor moveleiro está se reestruturando, ampliando as vendas no mercado interno e externo, utilizando de novos designs, tecnologia e inovação. Desta forma, novas oportunidades de empreendimentos no setor estão surgindo", finaliza Adelino.

Os interessados em consultar o Levantamento de Oportunidades na íntegra podem acessá-lo clicando aqui.

*Com informações as assessoria de imprensa do Sebrae-SC

Quer receber as notícias no WhatsApp?