2020 deixa um legado de desafios que ainda devem perdurar no próximo ano, avalia o presidente da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul (Acijs), Luís Huffenüssler Leigue.

"Definir 2020 com um ano desafiador chega a ser redundante na medida em que convivemos durante todo o período com muitas dificuldades decorrentes, principalmente, da grave crise de saúde causada pela pandemia", afirma o empresário.

O cenário de dificuldades já era previsto, mas não na extensão que chegou. Havia perspectiva de instabilidades globais que já eram sinalizadas nos últimos três anos - mas a pandemia de Covid-19 trouxe elas em uma única leva e com intensidade maior que a prevista.

"Ocorre que essas imprevisibilidades acabaram se mostrando de uma só vez, em um ano que foi muito conturbado pelos impactos que o coronavírus trouxe a todos os setores da sociedade e, claro, com efeitos no desenvolvimento econômico e social, comprometendo a expectativa de recuperação que o Brasil vinha apresentando", avalia.

Para Leigue, essas dificuldades devem ainda persistir em 2021, embora na questão da saúde os sinais são de estabilização com o surgimento de vacinas, o que dá a perspectiva de aceleração na medicação para a população.

"Com isso, o país vai retomando seu curso gradativamente. Mas ainda será perceptível os impactos na economia, onde se percebe a escassez de recursos como matérias-primas e de mão de obra, somada à instabilidade política que atrapalha em termos de dar segurança nos investimentos e no empreendedorismo, e a insegurança jurídica, que são componentes que sempre traz preocupações", considera Leigue.

Participação dos associados é essencial

Para a diretoria da Acijs, também foi um período de desafio, considerando que houve uma renovação acentuada dos integrantes desta gestão.

"Mesmo assim, os resultados são muito positivos, com o comprometimento de todo o time e a confiança pelo trabalho iniciado. Há um senso de união que demonstra o caminho que é necessário para superarmos esses momentos de dificuldade, ou de crises como a que tivemos no primeiro ano da gestão", avalia Leigue.

"O saldo é favorável porque conseguimos avançar em realizações para os associados, foi possível dar sequência ao planejamento que havia sido definido e essas ações fortaleceram a relação da entidade nas diversas frentes em que historicamente a Acijs está presente", completa.

De acordo com o empresário, muitos destes projetos terão em 2021 continuidade, além de novidades, principalmente na aproximação e na atenção aos associados, como a digitalização dos serviços, atendendo as próprias demandas que surgiram diante da pandemia.

Segundo ele, é importante que tenhamos cada vez mais empresas engajadas à entidade, pois um quadro de associados forte se refletirá no desempenho de toda a Acijs.

"Com isso, temos mais inteligência e clareza na atenção à realidade da comunidade. É um movimento que dá relevância ao associativismo e ao que uma comunidade pode conquistar pelo envolvimento de sua classe empresarial, da sinergia com outros setores organizados da sociedade e do seu poder público, como vimos ao longo da história da Acijs e ainda mais evidente em 2020", explica.

A mensagem que o ano deixou, para Leigue, é de que Jaraguá do Sul e região, diante de um cenário como o atual, passaria por dificuldades ainda mais complexas se a comunidade não atuasse tão integrada no enfrentamento dos problemas.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul