Por Kamila Schneider O número de empregos formais em Jaraguá do Sul apresentou saldo positivo de 118 vagas em março, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho. Apesar de tímido, o resultado é quatro vezes maior do que o registrado em março do ano passado, quando o município fechou 299 postos. No mês passado, o mercado local foi responsável pela criação de 1.004 vagas formais de emprego. Mesmo com redução no ritmo de crescimento, o cenário observado em Jaraguá do Sul pode ser considerado positivo, já que se manteve na contramão do restante do mercado. Conforme os dados do Caged, Santa Catarina perdeu 4.638 vagas de emprego em março, interrompendo dois meses de avanços significativos, período em que foram criados mais de 26 mil novos postos. O cenário se repete no mercado nacional: em todo o país foram 63.624 vagas encerradas em março. Em fevereiro, o mercado nacional havia registrado saldo positivo de 35.612 vagas. Em nota oficial, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, declarou que “os dados de março do Caged mostram que fatores sazonais e conjunturais influenciaram negativamente o mercado de trabalho. O governo esperava uma trajetória ascendente, positiva (...), em razão do bom desempenho verificado em fevereiro, mas os resultados gerais foram negativos”. Segundo o Ministério do Trabalho, tradicionalmente setores como comércio, indústria de alimentos e construção civil apresentam resultados negativos no mês de março, mesmo em anos de forte crescimento econômico, influenciado pela sazonalidade vinculada a estas atividades. Desempenho por setores  Em Jaraguá do Sul, o setor de serviços apresentou o melhor resultado durante o mês de março, com a abertura de 55 vagas. O saldo é a diferença entre 533 admissões e 478 demissões realizadas no setor. Também apresentaram resultados positivos a indústria da transformação (27), a construção civil (24) e a administração pública (11). CAGED Entre janeiro e março deste ano, o município acumula um saldo positivo de 1.216 postos formais de trabalho. O número é seis vezes maior do que o registrado no primeiro trimestre do ano passado, quando o saldo ficou negativo em 232 vagas. Entretanto, não é suficiente para alcançar os resultados obtidos em anos anteriores: em 2015, por exemplo, o primeiro trimestre teve saldo positivo de 1.921 postos, enquanto em 2014 foram 2.232 vagas criadas no período.