Apesar de sofrer fortemente os impactos da crise econômica global por conta da Covid-19, que causou grandes reduções nos investimentos em capital fixo - principal produto do município - Jaraguá do Sul se mantém como o 5º maior exportador de Santa Catarina, respondendo por 4.8% de todas as exportações Catarinenses.

A cidade ficou atrás apenas de Itajaí (US$ 1,694 bilhão, 33,6% de participação), São Francisco do Sul (426,07 milhões, 8,4% de participação) Joinville (US$ 424,13 milhões, 8,4% de participação) e Gaspar (US$ 283,31 milhões, 5,6% de participação).

Tanto São Francisco quanto Itajaí tem participação expressiva por conta de complexos portuários como movimentadores de mercadorias, e não por sua produção. Já a pequena Gaspar se destaca pelo processamento de soja, encaminhada para exportação em Itajaí.

Tanto as exportações quanto as importações, no entanto, registram queda no acumulado do ano de 2020. As exportações, que somam US$ 24,1,54 milhões, caíram 17,9% em comparação com o mesmo período de 2019, quando somavam US$ 294 milhões. Já as importações, somando US$ 170,04 milhões, registraram queda de 8%. No mesmo período do ano passado, Jaraguá do Sul comprava US$ 185 milhões em produtos estrangeiros.

Em um comparativo isolado dos meses de junho de 2020 e junho de 2019, as exportações registraram uma queda de 37%, passando de US$ 53 milhões para US$ 33,4 milhões. Junho de 2019 já havia registrado queda em comparação com o mesmo mês do ano anterior - desta vez, de 14% ante aos US$ 61,6 milhões de junho de 2018 - mas no acumulado do período de janeiro a junho, ainda registrava aumento, de 16,9%.

Já nas importações, o mês de junho em isolamento registra queda de 20,5%, somando US$ 19,9 milhões contra os US$ 25 milhões de junho de 2019.

Em ambas as movimentações, é possível precisar o momento em que Jaraguá do Sul passou de uma tendência positiva para a atual retração; embora o ano estivesse marcado por uma tendência fraca, marcada por um desempenho fraco em fevereiro - que registrou baixa de 17% - até março havia sinais de uma reversão na tendência, com o mês registrando alta de 1,6% nas exportações, mesmo com o princípio da pandemia.

De abril em diante, no entanto, a tendência negativa se firmou, com cortes globais em investimentos em bens de capital - principal produto de Jaraguá do Sul, na forma de geradores e motores elétricos, que compõe 70% de todas as exportações do município.

O setor de bens de capital tem registrado uma das maiores quedas como resultado da pandemia: em maio, as exportações do setor registraram queda nacional de 39,9%, enquanto o acumulado do ano soma uma queda de 10,2%, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas.

Jaraguá do Sul em Números

Exportações

US$ 241,54 Milhões

-17,9% Var. Jan-Jun 2020/2019

Importações

US$ 170,04 Milhões

-8,0% Var. Jan-Jun 2020/2019

Corrente

US$ 411,58 Milhões

-14,1% Var. Jan-Jun 2020/2019

Saldo

US$ 71,5 Milhões - Superávit Jan-Jun 2020

4,8% de Participação nas Exportações do Estado no período Jan-Jun/2020

5º lugar no Ranking de Exportações do Estado

0,2% de Participação nas Exportações do Brasil no período Jan-Jun/2020

91º lugar no Ranking de Exportações do Brasil

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul