Depois de encerrar o trimestre deficitária pela primeira vez em toda a série histórica, a balança comercial de Jaraguá do Sul reverteu a queda em abril, fechando o primeiro quadrimestre com saldo positivo de US$ 5,48 milhões. Foram US$ 168,43 milhões em exportações - uma alta de 2,9% na comparação com o ano passado - e US$ 162,95 milhões em importações, alta de 31,3% em comparação com o ano anterior.

Apesar da recuperação, o município caiu no ranking de participação das exportações do estado, passando de 4º para 5º lugar, ficando atrás de Itajaí, São Francisco do Sul, Joinville e Gaspar.

Pela primeira vez na série histórica da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o município havia fechado primeiro trimestre do ano com déficit na balança comercial, com as importações acumuladas de janeiro a março superando as exportações em US$ 9,13 milhões.

O resultado, o primeiro déficit acumulado para o trimestre, vinha como resultado da combinação de uma queda de 14,7% nas exportações, que somaram no período US$ 109,27 milhões, e uma alta de 21% nas importações, somando US$ 118,41 milhões.

O resultado de abril, isoladamente de US$ 59,2 milhões - 35,14% de todas as exportações do ano - fez com que o município saísse do vermelho após o resultado pífio do primeiro trimestre. As exportações do mês foram 66,1% superiores às de abril de 2020 - quando o mês registrou queda de 37,9% nas exportações.

No entanto, as importações seguem crescendo em ritmo meteórico, ante a uma alta limitada das exportações. Sozinho, o mês de abril registrou US$ 44,5 milhões em importações, 69,5% a mais que no mesmo mês do ano passado.

A composição da balança segue padrões históricos, com exportações fortemente lideradas por bens de capital, em particular motores elétricos, respondendo por 88% das exportações, peso comparativamente menor que a média histórica, na faixa de 89 a 90%. Foram US$ 149 milhões em produtos do segmento.

A queda nas exportações do segmento são indicativa de padrões globais diante da pandemia de Covid-19, que se arrasta desde março passado: com economias fragilizadas e produções limitadas, investimentos em maquinário pesado tem registrado queda - e Jaraguá do Sul, fortemente ligada a este setor, sofre como consequência.

As importações seguem com sua composição mais diversificada, ainda lideradas por peças e componentes para maquinário e bens de capital, que respondem por 37% das importações, e pelo setor têxtil, com 19%.

O município mantém uma mescla de importações para a indústria, na forma de insumos, matérias primas e componentes, e para o consumo, na forma de produtos manufaturados e bens de consumo que não são produzidos localmente - os insumos e matérias prima, no entanto, lideram as importações, com a maior parte dos produtos importados para consumo sendo comprados de importadores fora de Jaraguá do Sul.

Balança comercial de Jaraguá do Sul em dados

  • Exportações: US$ 168,43 - Alta de 2,9%
  • Importações: US$ 162,95 - Alta de 31,3%
  • Corrente: US$ 331,38 Milhões
  • Saldo: US$ 5,48 Milhões - Superávit

Posicionamento da balança comercial de Jaraguá do Sul

  • 4,5% de Participação nas Exportações - Estado
  • 5º lugar no Ranking de Exportações - Estado
  • 0,2% de Participação nas Exportações - Brasil
  • 100º lugar no Ranking de Exportações - Brasil