O mês de abril fechou com o segundo melhor saldo de geração de emprego do ano e o melhor resultado para o mês desde 2010 em Jaraguá do Sul, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Ao todo, foram 2.387 admissões e 1.970 desligamentos no município, encerrando o mês com um saldo de 417 postos de trabalho. Em 2010, foram 499.

O resultado foi puxado primariamente pelos setores de serviços, com saldo de 133 postos, comércio, com saldo de 164 postos, e a indústria de transformação, com 60 postos. O único resultado negativo para o mês ficou por conta do setor extrativo mineral, que perdeu dois postos de trabalho - no ano, o setor perdeu quatro dos 41 postos de carteira assinada que tinha no começo de 2018.

No acumulado do primeiro quadrimestre do ano, Jaraguá do Sul criou um total de 2.319 novos postos de trabalho formais. Com isso, o município soma um total de 64.205 empregos com carteira assinada até o fim de abril - resultado que demonstra sinais claros de recuperação, mas que ainda segue consideravelmente abaixo do que estava registrado em 2013, de 81.365.

Região demonstra saldos positivos

Dos quatro municípios menores da microrregião, apenas um - Massaranduba - não encerrou o mês de abril com saldo positivo. Com perdas puxadas pela indústria de transformação, que encerrou o mês com saldo negativo de 19 postos, o município perdeu um total de 14 postos de trabalho com carteira assinada.

O restante da região teve resultados mais animadores. Guaramirim encerrou o mês com saldo de nove postos de trabalho formais, apesar do resultado negativo da indústria, que perdeu 18 postos, e dos setores da agropecuária e de serviços, que tiveram saldo negativo de quatro postos cada. Em contrapartida, comércio e construção civil se destacaram, com 20 e 15 postos, respectivamente.

Corupá e Schroeder encerraram o mês com saldo de 16 e 26 postos, respectivamente. Schroeder contou com um único setor com resultado negativo - o de serviços, com perda de três postos de trabalho - e resultado liderado pelo comércio, com 10. Já Corupá, puxado pelo comércio, com saldo de oito cargos, e a administração pública, com sete, teve perdas no setor agropecuário, que reduziu quatro postos.

País tem melhor resultado em cinco anos

A nível nacional, o resultado do mês de abril foi o melhor desde 2013, com saldo de 115.898 empregos com carteira assinada. Em 2013, foram 196.913 vagas formalizadas no mês. Ao longo de abril foram registradas 1.305.225 admissões e 1.189.237 desligamentos. O resultado para os quatro primeiros meses do ano soma um total de 311.059 empregos gerados, com 5,2 milhões de admissões e 4,8 milhões de desligamentos.

O melhor desempenho do mês foi no setor de serviços, que abriu 64.237 empregos, seguido pela indústria de transformação, com 24.108, e a construção civil, com 14.394. O resultado mais fraco ficou por conta dos serviços industriais de utilidade pública, com 581.

O Caged também informou que, a nível nacional, houve 12.256 demissões realizadas mediante acordo entre empregador e empregado em abril, uma nova modalidade de desligamento prevista pela reforma trabalhista, que entrou em vigor no fim do ano passado.

No caso do trabalho intermitente, outra modalidade nova, ocorreram 4.523 admissões e 922 desligamentos, gerando saldo de 3.601 empregos, em 1.166 estabelecimentos. Nessa modalidade de contrato, o empregado fica à disposição do empregador e recebe apenas quando é convocado a trabalhar. Também foram registradas 5.762 admissões em regime de tempo parcial e 3.208 desligamentos, gerando saldo de 2.554 empregos, envolvendo 3.533 estabelecimentos.

Santa Catarina encerrou o mês com saldo de 5.322 postos de trabalho formais, com um total de 82.502 admissões e 77.180 desligamentos, com o quinto melhor saldo do país. O acumulado do quadrimestre para o estado também  é positivo: 40.924 postos.