Dados foram apresentados em reunião com o Sintex, em Blumenau

O vice-presidente de Pesquisa Econômica do ItaúBBA, Pedro Renault, participou da reunião on-line de Diretoria do Sintex - Sindicatos das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário e trouxe boas perspectivas para a economia nacional, amparadas pelos números mais recentes da vacinação no Brasil e no mundo. “Com a vacinação e o uso cultural da máscara, além de outros cuidados, a Covid-19 deixa de ser pandêmica e vira uma doença endêmica”, destacou Renault.

Conforme os dados do ItaúBBA, o crescimento do PIB mundial deve ficar em 6,3%, em um cenário onde os Estados Unidos devem crescer cerca de 6,7% e a China, 8,5%.

Para o Brasil, o ItaúBBA projeta crescimento do PIB de 4% em 2021, com viés de alta se não houver novos picos de contaminação e de mortes.

Empregos

Renault explicou o conceito da taxa de emprego e desemprego no Brasil. “A taxa de desemprego avalia quantas pessoas buscaram emprego e não encontraram. No início da pandemia, no ano passado, as pessoas não estavam saindo para procurar empregos, por isso, o desemprego não foi tão alto”, explicou. A tendência deste ano, segundo o ItaúBBA é de se ver o emprego aumentando. “Houve um ´vale´ (referindo-se a uma queda nos gráficos de emprego) em agosto de 2020, mas, desde então, a população ocupada vem crescendo”, destacou Renault. Segundo o ItaúBBA, o desemprego deve ficar em 12,7% em 2021.

Contas públicas

Para o ItaúBBA, a perspectiva menos otimista é com relação às contas públicas, devido ao grande salto das dívidas do governo, que chegaram a 89% do PIB em 2020. O resultado primário em 2021 deve ser de -2,8% PIB e a dívida bruta deve ter uma queda e encerrar em 84,1 % do PIB neste ano.

“O governo nessa área não deve fazer gol e a nossa torcida deve ser para não haver gol contra. O que é isso? É torcer para que se tomem medidas como a reforma administrativa, e não se gaste mais”, destacou Renault.

Um risco de médio prazo, apontado pelo executivo, é político, com as eleições em 2022 e a instabilidade prevista.

Outros indicadores

Renault mostrou que o Real segue pressionado por incertezas domésticas e o dólar deve encerrar 2021 em R$ 5,30, mas podendo chegar a R$ 5,10.

A inflação sofre pressão por câmbio e preços de commodities, cujos custos estão sendo repassados aos consumidores. O IPCA deve encerrar 2021 em 5,3% e o IGP-M, em 15,5%.

A Selic deve encerrar em 5,5% em 2021.

Receba as notícias de Blumenau e região pelo WhatsApp clicando aqui.