A pandemia do novo coronavírus causou impacto à indústria de chocolates no Brasil. A produção nacional de chocolates no ano passado, incluindo achocolatado em pó, atingiu 756 mil toneladas, com queda de 3,1% sobre 2018 (761 mil toneladas).

Os números do primeiro trimestre de 2020, entretanto, ainda livres dos efeitos da Covid-19, sinalizavam uma recuperação, com produção de 120,9 mil toneladas, alta de 2,84% em comparação ao mesmo período em 2019 (117,6 mil toneladas).

Apesar do impacto negativo da pandemia, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), Ubiracy Fonseca, disse à estatal Agência Brasil que há muitos motivos para se festejar no último dia 7, Dia Mundial do Chocolate.

O Brasil é um dos maiores produtores de chocolate do mundo e exporta para 130 países. “É um dia importante para o setor”.

A percepção de um mercado abalado, mas otimista, é mantida pela chocolatier jaraguaense Giovana Hornburg, da Casa do Chocolate.

Giovana Hornburg, da Casa do Chocolate | Foto Pedro Leal/OCP News

"Infelizmente, caíram um pouco as vendas por conta da pandemia, mas, ao mesmo tempo, em função do isolamento as pessoas estão procurando mais o chocolate. Como outras marcas, estamos tendo que nos reinventar, buscando entrega e outras formas de atender nossos clientes", explica.

Na data festiva do setor, a loja no centro de Jaraguá fez um evento com degustação e brindes para os visitantes da loja para reforçar a ligação dos clientes com a marca.

Adaptação necessária

Segundo o presidente da Abicab, as empresas produtoras de chocolate procuraram se adaptar rapidamente à nova situação, com a adoção de canais on-line de vendas, procurando usar o sistema de delivery.

Além disso, buscaram firmar parcerias para que o produto pudesse chegar nos pontos de venda da melhor maneira. “A situação vai melhorar, estamos otimistas”, disse.

Com o fechamento dos shoppings, outra estratégia do setor foi se aliar aos supermercados que continuaram abertos, instalando quiosques para manter as vendas.

Foto Fábio Junkes/OCP News

Para a Páscoa, especialmente, a Abicab trabalhou em parceria com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), por meio da campanha “Vai ter Páscoa”, com mobilização nas redes sociais.

“E estendemos a comercialização de ovos de Páscoa do dia 12 de abril até o fim daquele mês, para possibilitar aos consumidores, de uma forma geral, ter acesso aos ovos de chocolate”, lembra.

O presidente da Abicab explicou que, com isso, as vendas do período, que normalmente se encerram no dia 12 de abril, continuaram até o início de maio e isso amenizou a condição de isolamento social, gerada pela pandemia para evitar a disseminação do vírus.

Os supermercados se consolidaram como principal meio de venda para a indústria de chocolate.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul