A chegada do Dia dos Pais, comemorado no próximo dominho, dia 13, deve levar boa parte dos consumidores para as ruas à procura do presente ideal. A estimativa é de que seis em cada dez brasileiros dediquem parte do orçamento para fazer um agrado ao “paizão”, o que deve movimentar R$ 10,7 bilhões nos setores do comércio e serviços em todo o País. Na hora da compra, entretanto, o consumidor precisa estar preparado para não se assustar com os preços – é que segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), os impostos podem representar mais de 80% do valor do presente este ano, dependendo do produto escolhido.

            Segundo um levantamento realizado pelo IBPT no mês de julho, as bebidas alcoólicas estão entre as campeãs em tributos: quem deseja presentear o pai com um bom uísque, por exemplo, terá que pagar 61,22% do valor do produto em tributos. Isso significa que uma garrafa de R$ 120,00 terá um total de R$ 58,78 destinados aos tributos. No caso da vodka o valor é ainda mais alto: no caso desta bebida, a tributação chega a 81,52%. Já o vinho tem carga tributária de 54,73%, indica o IBPT.

            Os perfumes também estão no topo da lista de produtos com a maior carga tributária – enquanto os perfumes nacionais têm 69,13% do valor destinado aos impostos, no caso dos perfumes impostados a carga chega a 78,99%. Se a intenção do consumidor for economizar, a opção mais atrativa é a água de colônia nacional, com encargos de 50,38%. Conforme uma pesquisa realizada pela Fecomércio SC, 12,5% dos catarinenses devem optar por perfumes ou cosméticos para presentear o pai este ano.

            No topo da preferência dos catarinenses estão os itens de vestuário, que devem ser a principal escolha de 55,3% dos consumidores, aponta a Fecomércio SC. A preferência não é à toa: os itens de vestuário carregam algumas das menores cargas tributárias entre os produtos mais procurados para a data. O levantamento do IBPT mostra que uma camisa ou um casaco possuem 34,67% do valor em encargos, ou seja, uma camisa de R$ 60,00 terá R$ 25,33 destinados ao pagamento dos impostos. Já na calça jeans o índice é de 38,53% e na gravata de 35,48%.

Para quem não abre mão de presentear com um eletrônico, a grande maioria dos itens tem carga tributária próxima a 50%, indica o IBPT. É o caso do aparelho de DVD (50,39%), do aparelho MP3 (49,45%), do barbeador elétrico (48,11%) e do DVD automotivo (46,63%). Outros itens que costumam agradar os pais são o relógio (56,14%) e o óculos de sol (44,18%).

Catarinense deve gastar em média R$ 155 reais com o presente

Apesar da alta carga tributária de boa parte dos produtos, a média de gasto dos catarinenses deve ser maior do que a média brasileira neste Dia dos Pais. De acordo com a pesquisa da Fecomércio SC, a expectativa de gasto médio em Santa Catarina é de R$ 155,19, valor 3% superior ao registrado no ano passado. O aumento se deve à leve recuperação na renda das famílias, já que 41,4% dos entrevistados afirmaram estar em melhor situação financeira do que no ano passado. No caso dos brasileiros, a média de gasto deve ser de R$ 125,00, segundo estimativa do SPC Brasil.

Outro dado interessante é que o catarinense demonstra ser mais cuidadoso na hora de efetivar a compra – segundo a Fecomércio SC, 72,2% dos consumidores do Estado pretendem realizar pesquisa de preço e 64,3% tem intenção de pagar as compras à vista em dinheiro para evitar o endividamento em longo prazo. Na análise nacional, a percentagem de consumidores dispostos a pesquisar o preço cai para 58%, mas a média de pagamento à vista no dinheiro atinge patamar parecido ao do Estado, sendo a preferência de 66% dos entrevistados.

Microrregião já pagou R$ 96,3 milhões em impostos este ano

            Dados do Impostômetro mostram que até a manhã de ontem (9) os cinco municípios da microrregião já pagaram R$ 96,3 milhões em impostos para os governos federal e estadual. O montante representa um crescimento de 11,3% frente aos tributos pagos entre os dias 1º de janeiro e 9 de agosto do ano passado, quando os impostos somaram R$ 86,5 milhões na microrregião. O maior aumento no volume de impostos foi registrado em Guaramirim, passando de R$ 7,8 milhões em 2016 para 8,7 milhões este ano, um incremento de 12,2%.