O governador Carlos Moisés e o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, estiveram reunidos, nesta segunda-feira, 22, com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, solicitando o incremento nos estoques públicos de milho. Oferta de internet e de energia elétrica de melhor qualidade para o meio rural também foram assuntos discutidos na reunião.

O governador classificou as pautas como extremamente relevantes para o desenvolvimento do agronegócio no estado e a qualidade de vida do produtor rural e reforçou o pedido de parceria com o Ministério da Agricultura para os encaminhamentos com relação à oferta de milho.

“Nossos produtores - especialmente o independente - estão muito preocupados com a situação, precisamos nos unir para enfrentarmos mais este desafio, assistir e levar uma resposta a quem produz”, frisa o governador.

O secretário Altair Silva também destacou que uma das principais demandas de Santa Catarina é aumentar os estoques públicos de milho disponíveis aos produtores.

“Estamos em contato constante com a Conab em busca de soluções para os produtores rurais de Santa Catarina. O abastecimento de grãos segue como um grande desafio para o agronegócio catarinense. Nós estamos investindo forte em outras alternativas, como a produção de cereais de inverno, mas os resultado virão no médio prazo. No curto prazo, a ação da Conab é fundamental”, ressalta.

Segundo o último Relatório de Disponibilização de Estoques, referente ao período de 16 a 31 de março, a Conab possui 600 toneladas estocadas em armazéns de Campos Novos e Braço do Norte. Sendo que o consumo do agronegócio catarinense é de 19 mil toneladas por dia - 31 vezes mais do que o disponível para a compra.

“Nós precisamos desse milho. Reconhecemos o esforço da Conab, mas nosso consumo é muito grande devido à operação das nossas agroindústrias. Seguimos pedindo uma sensibilidade máxima da Companhia em relação a Santa Catarina”, explica o secretário adjunto da Agricultura, Ricardo Miotto.

A ministra Tereza Cristina disse que o problema do milho é uma preocupação antiga e diária.

“Temos um problema mundial, está faltando milho no mundo todo. Não falamos em desabastecimento, mas sabemos que os pequenos produtores de aves de ovos, suinocultores independentes e o setor leiteiro serão prejudicados. Para reverter esse quadro, estamos trabalhando em várias medidas que serão contempladas no próximo Plano Safra, vamos aumentar o limite e daremos mais crédito para induzirmos a produção de milho no país", aponta a ministra, como medidas para amenizar o problema que afeta os produtores de Santa Catarina.

A reunião contou também com a participação do secretária executivo de Articulação Nacional, Lucas Esmeraldino, e de deputados federais e senadores da bancada catarinense.

Segundo o Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri (Epagri/Cepa), a safra de milho em Santa Catarina terá uma quebra de 28,4% em relação à estimativa inicial, fechando em 2,07 milhões de toneladas.

A estiagem prolongada em 2020 e a cigarrinha do milho causaram a perda de aproximadamente 800 mil toneladas do grão nas lavouras do estado, principalmente no Oeste e Extremo Oeste.

O Governo de Santa Catarina também apresentou como pauta de trabalho, aumentar os investimentos em internet no campo e oferta de energia elétrica de melhor qualidade e quantidade para o meio rural. Para isso, foi reforçado o pedido de apoio do Ministério da Agricultura.