A retomada do mercado internacional e a perspectiva de recuperação do mercado brasileiro levaram o Grupo ArcelorMittal a retomar suas obras de expansão em São Francisco do Sul, a ArcelorMittal Vega, com um investimento de aproximadamente US$ 350 milhões - quase R$ 2 bilhões, em cotação atual.

O projeto contempla uma terceira linha de galvanização e uma nova linha de recozimento contínuo, o Cold Mill Complex (CMC), que permitirá o beneficiamento combinado de aços laminados a frio e revestidos, e deve ser concluído no terceiro trimestre de 2023. O grupo projeta uma expansão na produção de 1,6 milhão de toneladas/ano para 2,2 milhões de toneladas/ano.

Segundo a empresa, uma das vantagens do Cold Mill Complex é de que ele pode operar como galvanização ou recozimento contínuo, um sistema chamado de “combline”. Por ser uma linha de produção flexível, também deve garantir uma maior otimização nas linhas de decapagem e de laminação a frio.

Com isso, a expectativa é de que a unidade passe a produzir produtos diferenciados como Magnelis®, revestimento produzido em galvanização por imersão a quente, constituído de Zn/Al/Mg e que, atualmente, é produzido apenas em unidades da ArcelorMittal na Europa.

O produto patenteado pelo grupo ArcelorMittal é um aço revestido ideal para ser usado onde há necessidade de maior proteção contra a corrosão, muito utilizado em painéis de energia solar e na construção civil.

Sediado em Luxemburgo, o ArcelorMittal é a maior produtora de aço do mundo, e surgiu da fusão entre a indonésia Mittal Steel Company e a europeia Arcelor, em 2006.