Realizado anualmente pelas CDLs Jovens de todo o país, o Dia da Liberdade de Impostos – DLI – tem por objetivo conscientizar a população sobre a alta carga tributária embutida nos produtos brasileiros. Neste ano, a CDL Jovem de Florianópolis promoverá duas ações sem os tributos na próxima quinta-feira (24), data que marca o dia em que a população começa a trabalhar para pagar contas, e não mais para pagar impostos.

Quer receber as notícias no WhatsApp? Clique aqui

Subsidiado pela Ipiranga, uma das ações do DLI será realizada no Posto Ilha Bela, localizado na Rod. Admar Gonzaga, 500 – Itacorubi, em Florianópolis. Dois mil litros de gasolina serão comercializados com o desconto de 42%, percentual correspondente a quantidade de imposto embutido no valor final para o consumidor. O abastecimento começará às 8h, por ordem de chegada. Serão distribuídas 100 senhas entre carros e motos e cada condutor poderá abastecer o valor máximo de R$ 50,00 (equivalente a 21 litros). Sem acréscimo de tributos, o preço da gasolina cai de R$ 4,26 para R$ 2,47.

A partir das 18h até as 23h30, a ação do DLI continuará na Pizzaria Estrela Ilha, localizada na Rod. Francisco Magno Vieira, 3611 – Campeche, Florianópolis. Mais de 20 sabores tradicionais, no tamanho grande (12 fatias), sem borda, estarão com 40% de desconto para consumo no local (promoção não é válida para tele-entrega). Nesta noite, o consumidor em vez de pagar R$ 75,00, pagará somente R$ 45,00 em qualquer pizza tradicional do cardápio.

O DLI é uma campanha nacional e este ano abordará o tema “Impostossauro – o Pesadelo do Brasil”. Com o “mascote” de dinossauro, a ideia da ação é mostrar como o sistema tributário do Brasil é arcaico e feroz, por “morder” uma parte de tudo o que é comercializado.

De acordo com o vice-coordenador da CDL Jovem de Florianópolis, Lurran de Souza, é injusto o Brasil ter uma carga tributária tão alta e não reverter parte desses valores em prol da população. “Quase 50% do salário do contribuinte é destinado para impostos. E o problema se agrava, porque com os outros 50% é preciso comprar tudo aquilo que o governo não nos fornece com qualidade, que é educação, saúde, rodovias”, pondera Souza.