Santa Catarina fechou 2020 com 6.300 novas usinas fotovoltaicas (UFV), somando no acumulado 17.797, o que representa 214.889,49 kW (214.89 MW) de potência instalada. Os dados são do painel da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O resultado garante o sétimo lugar no ranking estadual dos maiores produtores de energia por radiação solar. Entre os municípios catarinenses, os três com maior capacidade instalada são Blumenau, Joinville e Florianópolis (ver lista abaixo).

Conforme o engenheiro Julio Cesar Ferreira da Silva, gerente da Quantum Solar, desde 2012 os investimentos no setor no Brasil já somam mais de R$ 36,5 bilhões, superando a marca de 219 mil empregos criados, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). “Isso significa mais de R$ 10,8 bilhões em arrecadação de tributos e mais de 1,1 milhão de toneladas de CO2 que deixaram de ser lançadas no meio ambiente”, salienta Julio Cesar.

Conforme levantamento da Absolar, a energia solar fotovoltaica centralizada representa 1,6% da matriz energética brasileira, somando 2.989 MW de potência instalada. A busca crescente pela energia solar baseia-se, principalmente, em dois pilares: econômico e ambiental. “O tempo que o valor do investimento leva para retornar na forma de economia na conta de luz, o chamado payback, é de cerca de cinco anos”, explica Julio Cesar. “Ainda, esses sistemas não agridem o meio ambiente e reduzem a conta de energia elétrica em cerca de 95%”, completa.

Outro bom argumento é que esses projetos podem ser adotados por pequenos, médios ou grandes negócios, com instalação podendo ser feita em telhado, solo ou, até mesmo, sobre a água. A demanda de manutenção é baixa, sendo que as placas fotovoltaicas duram até 25 anos, não fazem barulho nem geram poluição.

Inclusive a tendência apontada pelo Plano Decenal de Expansão de Energia 2030 (PDE 2030), realizado pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), é de crescimento de investimentos em capacidade instalada na ordem de R$ 70 bilhões nos próximos 10 anos no Brasil. E a previsão é que, desse montante, 93% sejam de fonte fotovoltaica segundo o relatório.

 

Top 15 de SC

  • Municípios catarinenses em potência instalada até 31/12/2020:

 

1) Blumenau - 10.163,70 kW

2) Joinville - 8.594,42 kW

3) Florianópolis - 8.433,95 kW

4) Jaraguá do Sul - 8.113,72 kW

5) Concórdia - 6.598,82 kW

6) Itajaí - 5.022,29 kW

7) Chapecó - 4.700,27 kW

8) Tubarão - 4.406,18 kW

9) Gaspar - 4.137,56 kW

10) Brusque - 3.689,59 kW

11) Xaxim - 3.306,21 kW

12) Xanxerê - 3.306,21 kW

13) Rio do Sul - 2.889,07 kW

14) Braço do Norte - 2.850,16 kW

15) Mafra - 2.809,55 kW

 

Aluguel de usinas

Conforme Gilberto Vieira Filho, presidente do grupo Quantum Engenharia, a tendência para os próximos anos é a modalidade de locação, que pode ser adotada tanto em projetos do setor público, quanto privado.

“A principal vantagem da locação de uma usina solar é o fato de o cliente não necessitar fazer um alto investimento na construção e na manutenção do projeto, pagando apenas um valor mensal para receber a energia limpa em seu empreendimento”, destaca.

 

Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema:

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul