O Instituto da Indústria Eggon João da Silva, mantido pela Fiesc, deu início nesta segunda-feira (16) ao curso MBI (Master Business Innovation) em energias renováveis e mobilidade elétrica. Essa é a primeira iniciativa da unidade instalada em Jaraguá do Sul desde outubro de 2020 e integrante da rede de institutos superiores voltados ao desenvolvimento da indústria catarinense.

O MBI tem uma carga horária de 360 horas e se estenderá até dezembro de 2022, na modalidade EaD e atividades presenciais em áreas das demais unidades dos Institutos SENAI, em laboratórios e em empresas que são referência nos temas abordados pela especialização.

O MBI está estruturado com dois módulos com foco em negócios em energias renováveis e mobilidade elétrica, tração elétrica e inteligência de sistemas, e, ao final, os alunos participam de mentoria em projetos aplicados com base nos conteúdos ministrados. O MBI tem parceria da WEG, do Senai do Paraná e participação de pesquisadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (Portugal), com corpo docente formado por especialistas ligados a indústrias e instituições com expertise no tema. Além das aulas no Brasil, os alunos do MBI terão a possibilidade de visitar institutos de referência também fora do País, entre eles, o Instituto Fraunhofer, na Alemanha.

Na aula inaugural, o diretor do Senai Santa Catarina, Fabrizio Machado Pereira, destacou a importância do MBI com o nível de qualificação que está sendo colocada à disposição da indústria catarinense, ampliando o esforço da Fiesc por mais competitividade em áreas estratégicas como no uso de fontes de energias renováveis e as transformações nos modelos de mobilidade.

José Eduardo Azevedo Fiates, diretor de Inovação e Competitividade lembrou que o estado oferece grande potencial de desenvolvimento em tecnologias inovadoras e a qualificação de profissionais trará contribuições ainda maiores para o fortalecimento de empresas que já atuam ou para novos negócios no segmento, dando condições favoráveis para a participação da indústria brasileira no mercado global.

Valter Luiz Knihs, diretor de e-Mobilty da WEG e responsável pela curadoria do curso, assinalou o caráter inovador da formação, que leva em conta a experiência dos professores e práticas já aplicadas pela indústria, o que permitirá uma capacitação completa aos participantes.

Além do MBI em mobilidade elétrica e energias renováveis, o Senai de Santa Catarina também participa de outras iniciativas com o objetivo de contribuir para a expansão do setor. São projetos em parceria com a indústria catarinense e com instituições reconhecidas no País e exterior, que abordam além da matriz de energia utilizada em eletromobilidade, também o setor automotivo desde o desenvolvimento do motor até a fabricação de componentes e, ainda, a infraestrutura para atender a demanda do País nessas áreas e o crescimento da demanda por veículos leves e pesados.