Os ministérios da Saúde e da Ciência, Tecnologia e Inovações lançaram nesta quarta-feira (21) uma chamada pública que credenciará quatro novas unidades, da área de fármacos e biofármacos, para se tornarem “unidades Embrapii”. Ao se tornarem parcerias da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), as quatro unidades selecionadas terão acesso a R$ 20 milhões em recursos: R$ 5 milhões para cada plano de ação apresentado por elas.

De acordo com o diretor de Planejamento e Relações Institucionais da Embrapii, Igor Nazaré, podem participar dessa seleção instituições científicas, tecnológicas e de inovação públicas ou privadas sem fins lucrativos. Entre as áreas focadas pela chamada estão a de descoberta de novos medicamentos, a partir de novas moléculas e princípios ativos; a de desenvolvimento de pro-fármacos e farmoquímicos; proteínas terapêuticas; kits diagnósticos; ensaios clínicos e pré-clínicos; produção de hemoderivados.

“Gostaria de destacar que cada unidade interessada em se tornar unidade Embrapii tem de escolher até três tópicos prioritários para apresentar na chamada, com valor de até R$ 5 milhões”, ressaltou o diretor da Embrapii.

Ele explica que o objetivo da Embrapii, a partir desta e outras iniciativas, é o de promover interação entre governo, universidades e empresas em processos e desenvolvimento de tecnologias, de forma a desenvolver tecnologias demandadas por empresas para o mercado, alavancando, de forma rápida, recursos para “processos que impactam na vida do cidadão”. Segundo Nazaré, há, atualmente, 72 unidades Embrapii com “pesquisadores e pessoal altamente qualificados”, além de infraestrutura de ponta para atender demandas empresariais.

Até hoje 1.259 projetos de 873 empresas receberam quase R$ 1,8 bilhão em apoios, tanto de empresas como das unidades Embrapii e do governo. “Dos 693 projetos já finalizados, tivemos 490 pedidos de propriedade intelectual”, disse o diretor. Ele acrescenta que, na área de Saúde, há 185 projetos em desenvolvimento. “Destes, 64 projetos foram desenvolvidos em resposta à pandemia, sendo 52 pedidos de propriedade intelectual”.