Na última quinta-feira (1º), a Câmara dos Vereadores aprovou em regime de urgência a contratação de um empréstimo de até R$ 3,9 milhões pelo executivo municipal, junto ao Banco do Brasil, como parte do programa Eficiência Municipal, voltado para a aquisição de máquinas, veículos e equipamentos e renovação da frota do município.

O financiamento levantou preocupações quanto ao endividamento da Prefeitura, que pediu liberação nesta gestão de oito financiamentos.

O valor em reais chega a R$ 66,8 milhões, somando ainda a autorização para um financiamento internacional de US$ 50 milhões junto a Corporação Andina de Fomento (CAF), esse total subiria para R$ 253,9 milhões - se considerada a cotação do dólar de terça-feira (6). Desse montante, R$ 30 milhões já foram contratados.

Três destes financiamentos tem prazos de amortização de 20 anos e dois de 15 anos, após um ano de carência. Com isso, esses pagamentos deverão incidir sobre o orçamento das próximas gestões.

Segundo o secretário da administração, Argos Burgardt, o problema não é a capacidade de endividamento do município, mas a de pagamento, que já está comprometida com um passivo de R$ 140 milhões com o Instituto de Seguridade do Servidor Público (Issem)

"Por isso estamos buscando a aprovação de várias linhas de crédito, para que as gestões futuras já tenham tudo pronto para a contratação de crédito mais barato", explica.

Segundo o secretário, estes financiamentos são essenciais para viabilizar investimentos futuros, e não comprometem a saúde orçamentária do município, com pouco caixa disponível para fazer investimentos a fundo próprio.

Limite de endividamento

De acordo com dados do Tesouro Nacional, vigentes para o mês de setembro, o município conta com uma Receita Corrente Líquida (RCL) de R$ 652,8 milhões e uma Dívida Consolidada Líquida (DCL), correspondente a financiamentos de longo prazo em contratos de mais de 12 meses, de R$ 44,313 milhões - esta dívida não leva em conta os financiamentos aprovados pela câmara, mas ainda não contratados.

O limite da dívida, dentro da legislação, é de 1,2 vezes a RCL, ou R$ 782 milhões, deixando abertos R$ 738 milhões.

O município não precisa necessariamente contratar agora os créditos aprovados pela Câmara, segundo o secretário Argos Burgardt.

O objetivo destes pedidos de aprovação é já deixar a burocracia pronta para a contratação e oferecer múltiplas alternativas aprovadas para o crédito, em busca de taxas de juros e parcelamentos mais favoráveis.

Somente no último trimestre de 2018, a Prefeitura já pediu autorização para cerca de R$ 270 milhões em financiamentos, incluindo um programa de US$ 50 milhões junto à Corporação Andina de Fomento (CAF), cujas condições ainda estão sendo negociadas, e dois pacotes, de R$ 36,7 milhões e de até R$ 30 milhões, ligados aos programas Avançar Cidades do Ministério das Cidades.

Os montantes seriam destinados para saneamento básico e mobilidade urbana, respectivamente.

Na busca crédito mais barato, nesta segunda-feira (5), a Prefeitura pediu a revogação da autorização do financiamento do Avançar Cidades - Saneamento Básico de R$ 36,7 milhões, através da Caixa Econômica Federal para pleitear financiamento do mesmo programa através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Despesas com amortização cresceram 22,4%

Partindo de dados da prestação de contas da própria Prefeitura, referente ao primeiro semestre do ano, as despesas com juros e amortização da dívida pública aumentaram 22,4% entre 2017 e 2018.

No ano passado, a Prefeitura gastou no período R$ 4,5 milhões; em 2018, a despesa com juros e amortização da dívida passou para R$ 5,513 milhões. A dívida com o Issem é responsável por cerca de R$ 1 milhão destas despesas - os pagamentos dessa dívida, referente a contribuições previdenciárias que deveriam ter sido repassados ao Instituto entre  1996 e 2003, começou em 2013.

O aumento na despesa veio após uma queda de 34,9% entre 2016 e 2017: no ano retrasado, o primeiro semestre do ano viu uma despesa de R$ 6,92 milhões com juros e amortização da dívida.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?