A Acijs (Associação Empresarial de Jaraguá do Sul) retoma no dia 11 de fevereiro os encontros com associados, abertos também ao público em geral, no Centro Empresarial de Jaraguá do Sul.

Neste retorno, a entidade coloca em prática mudanças com o objetivo, conforme o presidente Anselmo Luiz Jorge Ramos, de dar maior consistência aos debates e elevar o protagonismo dos associados em relação a assuntos de interesse da classe empresarial.

Uma das prioridades para o ano são as ações para acelerar a duplicação da BR-280, um gargalo para o setor produtivo.

“No ano passado, demos início à reestruturação dos nossos canais de comunicação, buscando uma maior assertividade no diálogo com os nossos públicos. Agora, em uma nova etapa, buscamos uma dinâmica diferente em nossas reuniões que costumeiramente ocorriam às segundas-feiras e passam a ser quinzenais e com um tema único”, assinala o empresário.

Estas mudanças são o resultado de pesquisas realizadas com os associados da entidade.

Segundo Ramos, os encontros serão mais focados, com temas mais precisos e maior possibilidade para discussão. "Não serão mais palestras, mas um debate trazendo várias vozes sobre o tema, com agentes convidados dentro da área de discussão", explica.

A mudança também deve reduzir a duração das plenárias, que anteriormente se prolongavam por uma hora e meia ou duas horas devido a multiplicidade dos temas.

De acordo com Ramos, a meta é fechar em 60 minutos. Apesar da redução na periodicidade e na duração, a meta é que as reuniões sejam mais produtivas.

Ramos explica que esta é mais uma inovação que a diretoria vem buscando no sentido de alinhar e incrementar a relação com os associados e com a comunidade.

A intenção é dar visibilidade ainda maior ao trabalho que a entidade já realiza ao longo da sua história de 80 anos, completados em 2018.

BR-280 está entre prioridades

Segundo Ramos, o ano de 2018 foi um ano de grandes desafios para a Acijs e para Jaraguá do Sul, tanto por conta do cenário macro-econômico do país, ainda em um ritmo de recuperação lento, quanto por conta de problemas estruturais da região - dos quais o empresário destaca em particular a situação da principal de rodovia de acesso à cidade.

"Temos um gargalo na BR-280, e para nós que somos um polo exportador isto tem se tornado um problema muito grave. Empresas tem evitado se instalar na região por dificuldades para escoar sua produção", explica.

Segundo o empresário, estas dificuldades logísticas são agravadas por questões tributárias, com a elevada alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em Santa Catarina - de 17%, dentro do segundo maior bloco de tributação do imposto - e a falta de incentivos fiscais servindo como outro fator que leva empresas a buscar outros estados.

A questão da BR-280 está na pauta da primeira reunião do ano, que deverá contar com a presença do secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Lucas Esmeraldino, para apresentação do plano de trabalho da pasta e ao mesmo tempo discutir com a classe empresarial demandas da região.

Serão discutidas as obras de duplicação da rodovia - que começaram em dezembro de 2013 e pouco avançaram nesses cinco anos em andamento - e também o trecho urbano, que foi assumido pelo governo do Estado na gestão anterior com a promessa de um duplicação entre Guaramirim e Jaraguá do Sul.

 

Inovação, meio ambiente e segurança

Outra questão é a área da inovação, apontada como vital para a ampliação da matriz econômica e no desenvolvimento de novos negócios.

O empresário aponta ainda preocupações do setor com as questões tributárias, que interferem na competitividade das indústrias, entre outros assuntos que estão sendo elencados pela diretoria da Acijs para as reuniões seguintes.

Uma das pautas na sequência é com o novo presidente do Instituto do Meio Ambiente (IMA), órgão criado no governo passado para substituir a Fatma.

Segundo Ramos, no ano passado a  Acijs recebeu o então presidente, mas agora precisa dar sequência discussões que seriam fundamentais para o desenvolvimento regional, como o fluxo de licenciamentos ambientais e entraves burocráticos entre o IMA e o Ibama.

Outro tema de suma importância para a entidade, de acordo com o presidente, é a segurança pública.

Os índices elevados de segurança em Jaraguá do Sul tem servido como um atrativo para investimentos na região - e estes índices precisam ser mantidos. Para este fim, a entidade tem mantido contato com a Polícia Civil e a Polícia Militar.

Perspectivas para 2019

Questionado quanto às perspectivas para 2019, Ramos é enfático: a Acijs está "conservadoramente otimista", ou seja, confiante em uma retomada do crescimento econômico mediante as reformas e medidas macroeconômicas que devem ser tomadas - como questões tributárias, burocráticas e do inchaço da máquina pública - mas ciente da possibilidade de termos mais um ano de crescimento não tão expressivo.

Ele frisa que estas medidas só devem dar reflexos expressivos na economia a partir do segundo ou do terceiro trimestre, e que o impacto destas medidas pode não ser tão grande quanto avaliado no começo do ano.

"Não são medidas tão imediatas e com resultados tão expressivos quanto gostaríamos, serão melhorias em mais longo prazo", avalia.

Esta perspectiva reflete a demonstrada no Boletim Focus do Banco Central - principal publicação para avaliação do cenário econômico do país.

Muito como ocorreu em 2018, a publicação tem demonstrado um cauteloso otimismo, com projeções tímidas de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) que tem se tornado mais tímidas a cada semana.

No ano passado, a projeção de crescimento do PIB passou de 3% na primeira semana de janeiro para 1,43% na última semana de dezembro.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?