A deputada Ana Paula da Silva (PDT), vulgo Paulinha, se manifestou veementemente contra a privatização da Celesc e em defesa da gestão eficiente da estatal em seu pronunciamento de dez minutos na tarde dessa quarta, dia 28, no Parlamento catarinense.

Além de comemorar na tribuna o prêmio de melhor distribuidora do Brasil, atribuído pelo Iasc à Celesc, Paulinha comentou que a empresa tem a segunda menor tarifa pública para consumidores do Brasil.

“Em 2020 foram investidos mais de R$ 520 mi em distribuição para atender o consumidor e fomentar a economia, inclusive comunidades rurais. Também recebeu o Prêmio Iasc, como a melhor distribuidora de energia do Brasil em 2019. A Celesc pública é eficiente”, elogiou Paulinha.

Paulinha destaca que a Celesc leva energia para aproximadamente três milhões de unidades consumidoras em 286 (duzentos e oitenta e seis) municípios catarinenses (92% do território do estado) e em Rio Negro, no Paraná, sendo assim uma empresa de suma importância no cotidiano de cada cidadão.

“ Faço aqui uma menção pública aos trabalhadores da Celesc. Temos que sim valorizar essa empresa que é presente na vida dos catarinenses”, disse repudiando qualquer noticia ou iniciativa de uma possível privatização.

Outro assunto que pautou a deputada foi a violência contra a mulher. Paulinha lamentou que, segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, Santa Catarina ocupe o vexatório sexto lugar em registros de estupros, com 3,5 mil casos em 2020.

“Cerca de 86% das vítimas são mulheres, mas também temos homens e meninos que sofrem essa violência”, informou Paulinha, acrescentando que 66% das vítimas de violência sexual têm até 13 anos de idade.
A deputada defendeu a aprovação de projeto de sua autoria que prevê a capacitação de agentes comunitários para que reconheçam sinais de que a criança ou adolescente é vitima de violência.