Os Correios e a companhia aérea Azul assinaram na manhã desta quarta-feira (20) um memorando de entendimento para a criação de uma empresa privada de logística. O novo ente será voltado para o transporte de mercadorias comercializadas pela internet. A parceria deve envolver as aeronaves da Azul no transporte de mercadorias pelos Correios, agilizando um serviço até então feito por via terrestre. O e-commerce tem crescimento acelerado no país: Segundo a agência de consultoria Ebit, voltada para o setor, no primeiro semestre de 2017, foram 50,3 milhões de pedidos, movimentando R$ 21 bilhões. No mesmo período do ano anterior, foram 48,5 milhões de pedidos, somando R$ 19,6 bilhões. O ano de 2016 inteiro movimentou R$ 91,6 bilhões em compras no mercado eletrônico. O setor gira primariamente em torno de vendas sazonais. Sozinho, o Natal passado moveu R$ 7,7 bilhões. De acordo com a entidade, o segmento dobrou de tamanho nos últimos quatro anos.

Aprovação pendente

Ainda sem nome, a nova empresa terá participação acionária de 50,01% por parte da Azul e 49,99% por parte dos correios. Espera-se que a operação inicie em março de 2018. O documento deve ser submetido à aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Conforme o presidente dos Correios, Guilherme Campos, a medida atende os requisitos da Lei 13.303 de 2016, a  Lei das Estatais. “Estamos seguros, aptos e à disposição de todos para todas as explicações e estudos que embasaram essa decisão”, destacou Campos. Segundo as duas empresas, a nova empresa deve começar as operações movimentando cerca de 100 mil toneladas de cargas por ano. De acordo com o presidente dos Correios, Guilherme Campos, a parceria garantirá aos Correios uma economia de 35% a 40% no transporte de cargas, que consome hoje R$ 560 milhões ao ano. O presidente da Azul, David Neeleman, ressalta que muitos dos produtos passarão a ser levados por via aérea. Segundo Campos, a parceria envolve aeronaves pré-existentes e não onera os Correios, usando o espaço de carga das atuais 130 aeronaves da Azul.   Com informações da Agência Brasil e Ebit