A conta de luz pode ficar pelo menos 20% mais cara: por causa da crise hídrica, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai reajustar o valor da tarifa da bandeira vermelha 2, que está em vigor no país e é a mais cara. Atualmente, o custo é de R$ 6,243 pelo consumo de 100 kw/hora. As informações são do jornal O Globo.

André Pepitone, diretor-geral da Aneel, adiantou nesta terça-feira (15) que o valor deve ser maior do que o previsto na consulta pública apresentada em março.

Fosse este o ajuste, a cobrança de 100 kWh na bandeira vermelha 2 subiria para R$ 7,571, um aumento de 20% - mas a projeção é que o ajuste seja ainda maior. A informação foi antecipada pelo jornal O Globo.

"Certamente, a gente já pode adiantar aqui nessa comissão que não tem o valor final, mas digo às vossas excelências que será um valor bem maior do que os R$ 6,24. Tivemos uma audiência pública que durou 30 dias e apresentou o valor de R$ 7 e alguns centavos, mas com certeza esse valor [final] ainda deve superar um pouco os R$ 7 [e alguns centavos], [daí os] mais de 20% [de alta]", afirmou.

A explicação para a alta do preço da bandeira 2 é o aumento do custo de geração de energia no país, por causa da crise hídrica. "Pelo fato de não termos água para utilizar nas nossas hidrelétricas, essa energia será gerada nas térmicas. Logo aquele custo ele vai ser apresentado [repassado] por meio do mecanismo das bandeiras", acrescentou.