O 13º está chegando, junto das férias de fim de ano e a participação nos lucros de várias empresas - e com isto, vem o planejamento para um merecido descanso. Com isso, muitos jaraguaenses buscam alternativas para o seu fim de ano, conta a consultora de viagens Daniele Renta, da Cosmos Turismo.

"Nesta época do ano, temos uma movimentação muito boa, e a cada ano a procura aumenta, tanto para destinos nacionais quanto internacionais", diz. Segundo a consultora, a agência tem registrado um aumento de cerca de 25% na procura de pacotes.

No Brasil, os principais destinos são as praias do nordeste e os cruzeiros. "Os cruzeiros estão cada vez mais atraentes por juntarem um bom custo benefício e uma programação completa de bordo, com várias opções de entretenimento e refeição", diz.

Outros destinos com bastante procura incluem destinos serranos como Urubici e Piratuba. Outra opção popular no fim do ano é o Natal-Luz em Gramado.

No exterior, os destinos de inverno, nos EUA, Canadá e Europa são populares, assim como viagens para o Caribe. Quem busca destinos mais exóticos, tem opções no Marrocos, Egito e Turquia - países que começaram a se especializar em atender turistas brasileiros.

"Atualmente, temos guias turísticos que falam português, programas para brasileiros e outras atrações buscando o turista daqui", diz

O planejamento financeiro para viajar é fundamental, mas para quem tem uma folga no orçamento, não é impossível viajar de última hora. "Hoje, se tem opções de parcelamento até 12 vezes, preços promocionais e pacotes mais acessíveis para possibilitar as férias dos seus sonhos", explica.

Organização de última hora

Segundo Renta, muitos acabam deixando a programação das férias para a última hora - e precisam buscar opções de pagamento facilitadas, como parcelamento e promoções, pois embora tenham se tornado mais acessíveis, as viagens ainda exigem um bom investimento.

Um cruzeiro, por exemplo, pode sair em torno de R$ 3 mil por pessoa, enquanto uma viagem aos EUA ou para a Europa pode custar R$ 12 mil por pessoa.

O câmbio oscilante, com o dólar voltando a cruzar a linha dos R$ 4 e ainda em clima de instabilidade, afetou a procura - mas apesar disso, ainda há um forte interesse nos destinos internacionais.

"Notamos uma queda na demanda por alguns destinos na América Latina, como Chile, por questões do noticiário, e algumas pessoas optaram por adiar o passeio, mas as atrações turísticas não têm sido muito afetadas", diz.

A Black Friday é uma alternativa para quem deixou para a última hora, com preços promocionais para vagas que restaram em pacotes de viagem.

"Esta é a hora para pegar os últimos lugares nos pacotes, ou para já se antecipar e se programar para 2020, que também tem algumas promoções na Black Friday", diz.