Por Kamila Schneider |Foto Eduardo Montecino A proximidade do inverno e a chegada dos dias mais frios devem ajudar a impulsionar as vendas no comércio de Guaramirim. Pelo menos é o que esperam os comerciantes, que já expõem nas vitrines as novidades da estação. A expectativa é de que a partir de agora o setor comece a registrar resultados mais animadores, uma vez que o ano começou com ritmo lento para boa parte dos lojistas. Além disso, a decisão da Prefeitura de adiantar o 13º dos servidores municipais deve ajudar a incrementar as vendas: a estimativa é que a medida injete R$ 1,8 milhão na economia local. A empresária Girlani Spezia Bertholdi, proprietária de uma loja de roupas no centro da cidade, está otimista com a nova estação. Após um 2016 de vendas fracas e pouca procura por roupas de inverno, a empresária resolveu apostar em um cenário mais otimista e investir nos itens de frio. “Apesar de ainda não estar como gostaríamos, já houve uma melhora em relação ao ano passado. Acredito que a tendência é continuar evoluindo, mas precisamos que o frio venha com mais força para que os consumidores se animem”, diz ela. Para a também empresária Cátia Paula, que trabalha com foco no público infantil, os primeiros meses do ano foram de poucos avanços nas vendas para o comércio e por isso medidas de incentivo ao consumo são importantes para ajudar o setor a avançar. “Sem dúvida a liberação do 13º dos servidores vai ajudar, mas para isso é preciso que a população valorize o comércio local, que cresceu muito e oferece boas opções de compra”, avalia a comerciante. Segundo ela, é preciso criar consciência de que ao deixar o dinheiro na cidade, a população está ajudando a desenvolver o mercado local.
IMG_2830-2
Girlani reforçou o estoque de roupas de inverno e espera aumento nas vendas com a chegada do frio e liberação do 13º | Foto Eduardo Montecino
Este ano, o comércio de Guaramirim ficou entre os setores com os melhores índices de criação de emprego no município: foram 385 contratações contra 305 demissões entre janeiro e abril, um saldo de 78 novas vagas de emprego. Para se ter uma ideia, o saldo é quase seis vezes maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando o setor perdeu 17 postos de trabalho formal. Nos últimos dois anos, o setor viu o cenário econômico nacional prejudicar os resultados – em 2015, por exemplo, o comércio de Guaramirim terminou o ano com a perda de 44 postos de trabalho. Já no ano passado, o emprego avançou com a geração de 16 novos postos, mas o resultado não o suficiente para superar a queda do ano anterior. Em 2014, antes da crise, o setor apresentou saldo positivo de 181 postos formais. CDL espera melhora gradativa do ambiente econômico De acordo com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Guaramirim, Paulo Correa, o consumidor local ainda se mostra apreensivo diante de todo o contexto político e econômico observado no país, mas o mercado tem trabalhado para reverter este cenário. “Os indicadores mostram de que as coisas devem começar a caminhar um pouco mais e é nisso que estamos apostando”, afirma ele. Segundo Correa, ações de incentivo e apoio ao mercado costumam ter resultados significativos e são necessárias para que o setor volte a avançar. “Tudo o que pudermos fazer para beneficiar o mercado local é bem vindo para todos. Sabemos que o consumidor sempre vai procurar outros municípios também, mas estamos trabalhando para que isso seja cada vez menos necessário. O comércio de Guaramirim evoluiu muito nos últimos anos, cresceu e se atualizou, e hoje oferece muita opção e variedade. É um trabalho de conscientização que ainda deve durar muito tempo”, destaca o presidente da CDL.