Santa Catarina segue com resultados expressivos na economia, com um Índice de Atividade Econômica (IBC) de 9,13% de janeiro a junho deste ano na comparação com o primeiro semestre de 2020. No mesmo período, o Brasil teve expansão de 7,01%, conforme o indicador medido pelo Banco Central, analisado pelo Observatório Fiesc.

No dado dessazonalizado de junho, o IBC alcançou a terceira elevação consecutiva no estado, com expansão de 0,36% na comparação com maio. O IBC serve como uma "prévia" do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o indicador oficial de performance da economia.

No mês isolado, em relação a junho de 2020, Santa Catarina teve uma expansão da atividade econômica de 10,15% - o resultado também ficou acima da média nacional que foi de 9,07%. É o terceiro melhor resultado entre os estados brasileiros, atrás do Espírito Santo e do Amazonas.

“Os resultados demonstram a recuperação da economia catarinense e são o reflexo de um estado diversificado, dinâmico e empreendedor. A confiança dos empresários industriais tem crescido, o que demonstra disposição para novos investimentos e perspectiva de mais crescimento no segundo semestre”, avalia o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar.

A expansão da economia do estado no mês foi puxada pelo setor de serviços, segundo a Fiesc. Entre os destaques, estão os serviços prestados às famílias e os serviços de informação e comunicação, ambos com expansão de cerca de 8% em junho na comparação com maio.

Dentre os setores industriais, apesar da leve retração de 0,3% em junho, conforme o Índice de Produção Industrial calculado pelo IBGE, houve destaque para Produtos de Madeira, Veículos Automotores e Máquinas e Equipamentos que registraram as maiores expansões no período, com parte da demanda oriunda do mercado externo.