Pela primeira vez na série histórica da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Jaraguá do Sul encerrou o primeiro trimestre do ano com déficit na balança comercial, com as importações acumuladas de janeiro a março superando as exportações em US$ 9,13 milhões.

No mesmo período de 2020, o município registrava um superávit de US$ 30,2 milhões - US$ 39,3 milhões a mais que o registrado no primeiro trimestre deste ano.

O resultado, o primeiro déficit acumulado para o trimestre, vem como resultado da combinação de uma queda de 14,7% nas exportações, que somaram no período US$ 109,27 milhões, e uma alta de 21% nas importações, somando US$ 118,41 milhões.

O município segue sem recuperar o déficit de janeiro, de US$ 11 milhões; 2021 foi o quarto ano na série histórica em que Jaraguá do Sul registrou déficit no primeiro mês do ano, o que já havia ocorrido em 2012, 2018, 2019 e 2020 - mas nestes anos, o saldo rapidamente voltou para o positivo, com superavits no acumulado dos dois primeiros meses.

2021, no entanto, não viu o padrão se repetir: depois "dever" US$ 11 milhões na balança em janeiro, o município registrou um superavit de apenas US$ 979 mil em fevereiro - e de US$ 488 mil em março, nem chegando a meio milhão de "folga", com exportações em queda e uma alta acelerada das importações.

A composição da balança segue padrões históricos, com exportações fortemente lideradas por bens de capital, em particular motores elétricos, respondendo por 87% das exportações, peso comparativamente menor que a média histórica, na faixa de 89 a 90%.

A queda nas exportações do segmento são indicativa de padrões globais diante da pandemia de Covid-19, que se arrasta desde março passado: com economias fragilizadas e produções limitadas, investimentos em maquinário pesado tem registrado queda - e Jaraguá do Sul, fortemente ligada a este setor, sofre como consequência.

As importações seguem com sua composição mais diversificada, ainda lideradas por peças e componentes para maquinário elétrico, que respondem por 37% das importações, e pelo setor têxtil, com 20%.

O município mantém uma mescla de importações para a indústria, na forma de insumos, matérias primas e componentes, e para o consumo, na forma de produtos manufaturados e bens de consumo que não são produzidos localmente - os insumos e matérias prima, no entanto, lideram as importações, com a maior parte dos produtos importados para consumo sendo comprados de importadores fora de Jaraguá do Sul.

Balança comercial de Jaraguá do Sul em dados

  • Exportações: US$ 109,27 Milhões - Queda de -14,7%
  • Importações: US$ 118,41 Milhões - Alta de 21,0%
  • Corrente: US$ 227,68 Milhões
  • Saldo: US$ -9,13 Milhões - Déficit

Posicionamento da balança comercial de Jaraguá do Sul

  • 4,5% de Participação nas Exportações - Estado
  • 4º lugar no Ranking de Exportações - Estado
  • 0,2% de Participação nas Exportações - Brasil
  • 106º lugar no Ranking de Exportações - Brasil