Com o dólar em alta histórica, de R$ 4,213, o real vive seu momento mais fraco - mas para o ministro da Economia, Paulo Guedes, a cotação não é motivo para preocupação. A declaração foi dada em entrevista coletiva, depois de evento no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington.

Segundo o ministro, a moeda caminha para a conversibilidade, cuja cotação ‘às vezes varia, às vezes sobe um pouco, às vezes cai um pouco, não tem problema nenhum.”

"Eu não estou preocupado com a alta do dólar" afirmou Guedes, adicionando "Pelo contrário. Achei absolutamente compreensível. O juro baixou, está em 5%. Quando tem política fiscal mais forte e juro mais baixo, o câmbio de equilíbrio é mais alto. O Brasil é agora um país interessante, com juro bastante baixo. Os investimentos vão começar e vai retomar o crescimento".

O dólar comercial registrou valorização nesta segunda-feira devido a dados decepcionantes das contas externas, cujo déficit atingiu 3% do PIB, no resultado acumulado para o período de 12 meses encerrado em outubro.

Não é a primeira vez em que Guedes descarta o impacto negativo das cotações altas do dólar: em maio, quando a divisa chegava à faixa dos R$ 4,11, Guedes alegou se fazia alarde demais de 'qualquer alta do dólar'.

"Se a bolsa cai ou o dólar sobe um pouco, isso é barulho. Ninguém tem de ficar preocupado", disse Guedes durante participação em evento no Rio de Janeiro no dia 17 de maio. "Tem uma dinâmica mais forte, construtiva e positiva (sendo construída na economia brasileira)."