Os mais de mil lotes estão sendo viabilizados em 11 loteamentos espalhados por Jaraguá do Sul | Foto Eduardo Montecino/OCP News

Os mais de mil lotes estão sendo viabilizados em 11 loteamentos espalhados por Jaraguá do Sul | Foto Eduardo Montecino/OCP News

Depois de dois anos fracos em 2015 e 2016 e de uma recuperação lenta em 2017, o mercado imobiliário espera resultados positivos nos próximos anos, segundo o presidente da Associação das Imobiliárias de Jaraguá do Sul, Thiago Leoni.

Essa recuperação se demonstra no número de loteamentos em andamento no município: são 89 os que constam nos registros da Prefeitura.

Desde 2016, foram aprovados 11 loteamentos novos em Jaraguá do Sul, com um total de 1.266 lotes. Além dos lotes aprovados, constam mais 13 pedidos protocolados para delimitar novos loteamentos. A maioria destes lotes - 681, em quatro loteamentos que abrangem 13 ruas - foram aprovados em 2016, ano que viu uma desaceleração nas obras e nas vendas, segundo Leoni.

"2015 e 2016 foram os piores anos para o setor, mas ano passado já vimos aquecimento e agora o mercado tem visto resultados significativos", explica, destacando que ainda não tem números precisos do aumento percentual.

Segundo dados da Caixa Econômica Federal, o financiamento de imóveis em 2017 foi 6,3% maior do que o registrado em 2016. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) registrou ano passado aumento de 9,5% nas vendas de imóveis.

Leoni destaca que o impacto dos anos da crise é visível no tipo de imóvel que tem mais movimentação. "A procura tem sido principalmente por imóveis do Minha Casa, Minha Vida e por apartamentos acima da faixa dos R$ 500 mil, com um valor aquisitivo maior", explica, demonstrando um aumento na procura de imóveis populares, assim como por parte da população de maior poder aquisitivo, que teve uma recuperação mais rápida do que a classe média.

Até a segunda semana de maio, apenas um novo loteamento, com 31 lotes no bairro João Pessoa, havia sido aprovado no município, em meio a sete pedidos protocolados. Em 2017, por sua vez, a aprovação de 554 lotes em seis loteamentos, abrangendo um total de 26 ruas.

Segundo o secretário de Urbanismo, Eduardo Bertoldi, a implementação destes loteamentos há de ser vista com bons olhos.

"São locais com toda infraestrutura necessária para habitação, espaços regulamentados que proporcionam as pessoas os meios para adquirirem e habitarem um local seguro e com toda documentação necessária para um negócio seguro e com garantia de moradia", adiciona.

Trabalho integrado tem agilizado proce

Bertoldi destaca que a secretaria está trabalhando em conjunto com uma comissão formada pelas empresas loteadoras, para estabelecer de forma mais clara os fluxogramas e critérios de trabalho para agilizar os procedimentos e desburocratizar os tramites que envolvem a aprovação de loteamentos.

O secretário destaca também o papel do setor imobiliário constituído no município, que estaria  exercendo um grande trabalho orientativo de responsabilidade  no sentido de ofertar com segurança imoveis que possam da mesma forma oferecer segurança na negociação e uma habitação regularizada.

"Digo isso em razão de nos depararmos diariamente com muitos problemas de imóveis irregulares envolvendo documentação bem como as próprias construções estarem consolidadas e forma irregular, impossibilitando a sua regularização", explica.

Bertoldi ressalta também que estes espaços viabilizam o crescimento habitacional de forma organizada e muitas vezes evitam a ocupação de imoveis irregulares e em áreas de risco.