O setor de eventos foi de longe o mais prejudicado pela pandemia do novo coronavírus. As restrições impostas para o enfrentamento da pandemia obrigaram muitas empresas promotoras de eventos, bares, restaurantes, clubes, salões e danceterias a se adaptarem ou fecharem as portas. Com isso, houve, também, a queda na venda de bebidas alcoólicas, entre elas o chope. Para enfrentar a crise, as seis cervejarias artesanais que possuem o selo “Cerveja de Jaraguá do Sul” tiveram de se reinventar.

A servidora da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Kátia K. K. Farias, que é secretária-executiva da Comissão de Avaliação do Selo Cerveja de Jaraguá do Sul, diz que as cervejarias sofrem com a dificuldade de fornecimento aos bares e eventos. Mas enfatiza que a maioria dos empreendedores do setor conseguiu se adaptar e inovar, para poder pelo menos manter as indústrias abertas.

“Eles usaram esse tempo para inovar, seja na produção, no ambiente das fábricas, na divulgação em mídias sociais, melhoraram rótulos, embalagens e inovaram também no sistema de distribuição dos produtos, chegando ao consumidor por meio de delivery ou retirada no balcão em opções de quantidades diferentes do que era fornecido antes”, explica a secretária-executiva se referindo ao uso dos growlers, cuja procura aumentou consideravelmente neste período, em detrimento aos barris, que tem uma capacidade de armazenamento muito maior e seu consumo é mais comum em festas e eventos.

“As pessoas passaram a consumir quantidades menores, em suas casas, mas não deixaram de apreciar a bebida”, comenta.

Foto: Reprodução/@konigsbiercerveja

A Diretora de Turismo, Leila Modro, explica que Jaraguá do Sul tem características culturais que proporcionam um nicho para a produção de cervejas artesanais, o que resultou na criação da Lei Municipal nº 7.793/2018, que instituiu o Programa de Incentivo às Microcervejarias Artesanais, Brewpubs (bares que produzem a própria cerveja) e Nanocervejarias no município.

A organização do setor e os incentivos municipais levaram à criação do selo de qualidade de produto genuinamente jaraguaense, “Cerveja de Jaraguá do Sul/SC”. Além disso, proporcionou a realização do Festival da Cerveja, cuja primeira edição ocorreu em fevereiro de 2020, semanas antes do agravamento da crise sanitária no Brasil.

Fevereiro é o mês da cerveja no município, instituído por lei, oferecendo mais uma opção turística e uma alternativa de lazer, entretenimento, gastronomia e um momento para degustar e conhecer o potencial das indústrias cervejeiras locais.

Das dez cervejarias que integram o Núcleo das Cervejarias da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul, oito possuem o selo de “Cerveja de Jaraguá do Sul”.

Empresas com o selo de “Cerveja de Jaraguá do Sul”

- GRAAL BEER – @graalbeer - Rua Pedro Francisco Freiberger, 56 – Três Rios do Sul – (47) 3371-0990
- KONIGS BIER – @konigsbiercerveja - Rua Erich Sprung, 215 – Água Verde (47) 3055-4300
- CERVEJARIA MAESTRO – @cervejamaestro - Rua Marcos Valdir Girolla, 265 – Barra do Rio Cerro – (47) 3275-8200
- CHEROKEE – @cherokeebrewhouse - Rua Walter Marquardt, 284 – Vila Nova (47) 3370-0113
- STANNIS PUB – @stannispub - Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 104, Centro – (47) 3273-6395
- CERVEJARIA KARSTEN – @cervejaria.karsten - Rodovia BR 280 – Chico de Paulo (47) 3058-3338
- HARDBOP - @cervejariahdb - R. Expedicionário Antônio Carlos Ferreira, 850 - Sala 1 - Nova Brasília - 98476-1664
- ROTT NORTH - @emporiohomebrew - R. João Januário Ayroso, 2485 - Jaraguá Esquerdo - 99902-5421

O líder do Núcleo, Rodrigo Boscaini de Freitas, confirma que o período está sendo de desafios. Confira a entrevista:

Rodrigo Boscaini de Freitas, líder do Núcleo das Cervejarias da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul. Foto: Divulgação

Como está sendo este período para as cervejarias?

RODRIGO: O período de pandemia para as cervejarias está sendo um período de aprendizado, desafios e muita inovação dos modelos de negócio. Cada cervejaria se adaptou de alguma forma para manter as contas pagas. Agora com abertura de bares, restaurantes e a permissão de eventos está trazendo uma melhora no novo normal, mas ainda não está fácil para o setor. A recuperação é lenta e ainda depende-se muito da criatividade dos empresários para se manter ativos.

Quais as principais ações para enfrentar a crise?

RODRIGO: Cada cervejaria buscou seu melhor, mudando da noite para o dia seus modelos de negócio, com entrega dos growlers descartáveis, promoções de vendas de garrafas, clubes de assinaturas, apps para vendas direta ao consumidor final, entre outras.

Qual o pior momento vivido neste período de pandemia?

RODRIGO: O que mais afetou as cervejarias foi o fechamento de eventos, fechamento completo no início da pandemia de bares e restaurantes e os recentes fechamentos parciais com limitação de horário de consumo e venda de bebidas. As cervejarias da cidade dependem, na sua maioria, da venda da bebida na região, que vem principalmente do consumo nos bares, restaurantes e em eventos, como casamentos, aniversários, festas de empresas, etc.

Quais as expectativas para o setor quando a pandemia permitir o retorno das atividades?

RODRIGO: O setor só tende a crescer, gerar empregos diretos indiretos e renda para cidade. As atividades estão voltando aos poucos e com isso já surgiram novas contratações, novos investimentos, novos produtos e novos modelos de negócio.

Qual a importância do Selo para o setor?

RODRIGO: O selo é um primeiro passo para o reconhecimento do que temos em casa. As cervejarias daqui recebem prêmios mundo a fora, mas continuamos vendo preferências por marcas de fora em bares e restaurantes. Esperamos que novas ações, junto na promoção do selo, ajude o setor a ter o reconhecimento que merece.

*Com informações da Prefeitura de Jaraguá do Sul.