A Apple anunciou na semana passada o desenvolvimento de software para detectar e notificar a polícia quanto à imagens de abuso sexual de crianças nos iPhones. A Apple garantiu que o sistema não dará acesso às comunicações privadas.

Apesar disto, não foram poucas as vozes na indústria que vieram a público criticar a Apple pelo anúncio - uma carta aberta, assinada por cerca de 5 mil pessoas e organizações pede para que a Apple considere cancelar o projeto.

A carta em questão nota que este software “introduz uma ‘porta traseira’ que ameaça enfraquecer as proteções fundamentais de privacidade para todos os utilizadores de produtos da Apple”, conta o Business Insider.

Entre os assinantes desta carta está o CEO do WhatsApp, Will Cathcart, que se tornou uma das personalidades mais vocais nas críticas à Apple.

Ele fez uma publicação no Twitter onde critica abertamente a Apple, notando que o sistema poderá ser usado para outros fins a pedido de governos.

“Isto é um sistema de vigilância construído e operado pela Apple que pode muito facilmente ser usado para analisar conteúdo privado para qualquer coisa que eles ou o governo decidam que querem controlar. Os países onde os iPhones são vendidos terão diferentes definições do que é aceitável”, nota Cathcart.