Focando e priorizando a manutenção da atividade econômica, já bastante prejudicada ao longo do último ano, a CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Jaraguá do Sul se posicionou nesta segunda-feira (15) contra um novo fechamento dos estabelecimentos não-essenciais, por um eventual decreto estadual, como forma de minimizar o agravamento da pandemia do novo coronavírus.

A entidade, conforme a presidente Talita Beber, está solidária à situação grave vivenciada na saúde, porém, entende que, neste momento, é necessário equilibrar também os prejuízos em termos de emprego e renda.

Por isso, defende que o comércio permaneça aberto e em funcionamento.

Além disso, segundo Talita, o setor vem mantendo os cuidados de segurança e higiene determinados pelas autoridades competentes, como distanciamento, ambientes arejados, uso de máscara e higienização frequente dos espaços e das mãos.

De acordo com a presidente da CDL, é necessário que a economia siga ativa para que o comércio e demais serviços não-essenciais, que já tiveram o fechamento decretado nos últimos três finais de semana, tente manter os empregos que dependem do segmento.

Em contrapartida, a entidade se coloca favorável à fiscalização para garantir que as recomendações sejam seguidas na sua completude.