Em um novo solavanco do mercado de criptomoedas, o Bitcoin (BTC) caiu 13% neste domingo, após a maior e mais conhecida criptomoeda do mundo ter sofrido outra liquidação que a deixou a quase 50% do pico atingido neste ano. As informações são da Reuters. Em apenas 24h, a moeda perdeu quase US$ 5 mil em valor.

A moeda virtual caiu para US$ 32.601 às 18h GMT (15h de Brasília), perdendo US$ 4.899,54 em relação ao fechamento anterior. A criptomoeda havia atingido o seu valor máximo este ano com US$ 64.895,22 em 14 de abril.

O bitcoin está sob pressão depois de uma série de tuítes semana passada do bilionário Elon Musk, executivo-chefe da Tesla e defensor das criptomoedas, revertendo a decisão de aceitar bitcoin como pagamento na Tesla.

"A Tesla suspendeu a possibilidade de comprar veículos com as bitcoins. Temos preocupações com o rápido aumento dos combustíveis fósseis que são utilizados para minerar bitcoins e emitir as transações, em parte o carvão, que é a pior das emissões", escreveu o empresário sul-africano em sua conta no twitter.

Para criar a criptomoeda, deve ser feito o que é chamado de mineração. Agrupados em centros de dados gigantes, esse processo de criação envolve o funcionamento de milhares de computadores 24 horas por dia. Os computadores tem que resolver problemas informáticos muito complexos, criando, assim, espaços de armazenamento que possam suportar as transações desta moeda virtual.

De acordo com Lionel Aré, diretor associado ao Boston Consulting Group e especialista em criptomoedas, "uma operação é o mesmo que ligar 5.000 microondas durante os 10 minutos que leva para se registrar a operação".

O ether, moeda da rede de blockchain Ethereum, caiu 17% para 1.905 dólares neste domingo, perdendo quase US$ 393,31 em relação ao fechamento anterior.

O mercado de bitcoin opera 24 horas por dia, todos os dias, o que às vezes gera flutuação de preço em horários imprevisíveis.