O Banco Central (BC) divulgou nesta quinta-feira (22) uma série de mudanças na regulamentação do Pix que devem abrir caminho para que aplicativos de mensagem, como o WhatsApp, passem a usar o serviço e comércios on-line ofereçam processos mais simplificados de pagamento instantâneos. O inicio da implementação da funcionalidade está marcado para 30 de agosto. As informações são do O Globo.

Com uma resolução publicada nesta quinta, o BC criou a figura de iniciador de pagamentos do Pix. Diferente de um banco ou fintech em que o cliente tem uma conta transacional, o iniciador de pagamentos servirá apenas para iniciar um pagamento entre duas partes.

Neste caso, somente a autenticação de quem está mandando o dinheiro seria feita no aplicativo do banco no celular.

Carlos Eduardo Brandt, chefe da Gerência de Gestão e Operação do Pix no BC, explica que se um aplicativo de mensagem escolher ser iniciador do Pix, ele ofereceria toda a dinâmica de pagamento dentro da experiência da troca de mensagens. Seria como anexar uma foto.

O serviço funcionaria de forma parecida com o iniciador de pagamentos que já existe e que permitiu as transferências dentro do WhatsApp em maio.

Além de aplicativos de mensagens, o iniciador de pagamentos também poderá facilitar o processo de pagamentos nas compras pela internet.

A ideia é que os próprios comércios poderão se tornar um iniciador de pagamento e fazer o mesmo meio de campo entre a instituição em que o cliente tem conta e a conta do comerciante. Também seria possível que uma terceira empresa faça esse trabalho.

Esse processo agilizaria os pagamentos, já que atualmente os comércios que oferecem a opção do Pix podem gerar um QR Code ou um código que seria colado no aplicativo da instituição financeira. O novo processo evitaria a necessidade do cliente de abrir aplicativo do banco, entrar com senha e fazer o pagamento.