Influenciado pelo crescimento do crédito e pela queda nas provisões (reservas financeiras para cobrir eventuais inadimplências), o Banco do Brasil (BB) lucrou R$ 5,032 bilhões no segundo trimestre. O resultado elevou para R$ 10 bilhões o lucro líquido ajustado da instituição financeira nos seis primeiros meses do ano.

O valor é 48,4% maior que o registrado no primeiro semestre de 2020. Além do crédito e das provisões, o BB citou o crescimento das receitas e o programa de demissões e de fechamento de agências como fatores que elevaram os lucros no primeiro semestre.

Em relação ao segundo trimestre (abril a junho), o lucro líquido ajustado de R$ 5 bilhões representa aumento de 2,6% em relação ao primeiro trimestre deste ano. Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, no auge das medidas de restrição social provocadas pela pandemia de Covid-19, o crescimento chegou a 52,2%.

Soma de todo o valor emprestado pelo banco, a carteira de crédito atingiu R$ 766,5 bilhões em junho, alta de 6,1% em relação a junho do ano passado. Os destaques foram as operações de varejo e de agronegócios. A carteira de crédito a pessoas físicas cresceu 10,3% na mesma comparação. O crédito para o agronegócio bateu recorde e atingiu R$ 205,9 bilhões, expansão de 9,7% na comparação com junho de 2020 e de 3,7% em relação ao primeiro trimestre.

O crédito para micro e pequenas empresas encerrou junho em R$ 81,6 bilhões, alta de 24,8% em relação a junho do ano passado. Segundo o BB, o crescimento deve-se a iniciativas como o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), o Programa Emergencial de Suporte a Empregos (Pese) e o Programa de Capital de Giro para Preservação de Empresas (CGPE).