A nota de R$ 200, com a imagem do lobo-guará, começou a circular nesta quarta-feira (2), Segundo o Banco Central (BC), será a sétima cédula da família de notas do Real. Serão produzidos neste ano 450 milhões de unidades.

A cerimônia de lançamento das novas cédulas foi transmitida pelo canal do BC no YouTube, na tarde da quarta-feira.

Tamanhos e cores diferentes de cédulas visam auxiliar quem tem baixa visão | Foto Reprodução/Banco Central

O lobo-guará foi escolhido em pesquisa realizada pelo BC em 2001 para eleger quais espécies da fauna brasileira deveriam ser estampadas nas cédulas do país. A cédula terá o mesmo tamanho da nota de R$ 20.

Ela possui elementos de segurança que também estão em outras denominações e já são conhecidos pela população, como o número que muda de cor e a marca-d’água.

De acordo com o Banco Central, o lançamento da nova nota é uma forma de a instituição agir preventivamente para a possibilidade de aumento da demanda da população por papel moeda.

A previsão é de que 450 milhões de cédulas de R$ 200 entrem em circulação até o fim de 2020, com o custo de R$ 113,4 milhões aos cofres públicos e injeção de R$ 90 bilhões na economia. A nova nota tem valor monetário de, cerca de, US$ 39.

Foto Reprodução/Banco Central

A diretora de administração do BC, Carolina de Assis Barros, ressaltou que o dinheiro é a forma mais direta em pela qual a população percebe a ação do Banco do Central.

Ela frisou também que a população tem reservado mais dinheiro em espécie, e por conta disto, se fez necessário emitir mais dinheiro antes que houvesse falta de numerário e parte da população ficasse privada de poder de compra.

Justificativa de criação da nova nota

Ao justificar a criação da nova nota, o BC afirmou que o auxílio emergencial criado em função da pandemia no novo coronavírus expôs a necessidade de uma cédula com valor mais alto em circulação.

Para o CNM (Conselho Monetário Nacional), trata-se da solução que melhor atende ao interesse público.

O presidente do órgão, Roberto Campos Neto, afirmou que nova moeda é uma resposta do Banco Central à pandemia, que levou a um aumento na procura por dinheiro em espécie.

Foto Reprodução/Banco Central

Além do aumento na procura pelo dinheiro em espécie por parte do consumidor, há uma redução no ritmo de retorno destas moedas aos bancos devido a queda do consumo.

Estes fatores, diz Campos Neto, geraram o momento oportuno para a implementação da nova moeda, que já havia sido planejada na época da segunda série do Real, em 2010.

"Os técnicos concluíram que o lançamento da cédula era a opção mais racional e eficiente para garantir o fornecimento de numerário suficiente para atender à demanda da economia nacional e da sociedade em geral”, escreveu a autoridade monetária em documento enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal).

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul