Banco Central diminui Selic para 12,25% ao ano

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por: OCP News Criciúma

01/11/2023 - 19:11

Nesta quarta-feira (1º) o Banco Central cortou a taxa Selic pela terceira vez seguida, reduzindo-a para 12,25% ao ano. A decisão, tomada por unanimidade pelo Comitê de Política Monetária (Copom), era esperada pelos analistas financeiros.

A taxa Selic está agora no menor nível desde maio do ano passado, quando estava em 11,75% ao ano. Entre março de 2021 e agosto de 2022, o Copom elevou a Selic por 12 vezes consecutivas em um ciclo de aperto monetário que começou devido à alta dos preços de alimentos, energia e combustíveis. A taxa permaneceu em 13,75% ao ano por sete vezes seguidas de agosto do ano passado a agosto deste ano.

Antes do início do ciclo de alta, a Selic havia sido reduzida para 2% ao ano, o nível mais baixo da série histórica iniciada em 1986. O Banco Central havia cortado a taxa devido à contração econômica causada pela pandemia de COVID-19. A taxa permaneceu no menor patamar da história de agosto de 2020 a março de 2021.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em setembro, o IPCA ficou em 0,26% e acumulou 5,19% em 12 meses. A inflação, que tinha registrado quedas no final do primeiro semestre, voltou a subir na segunda metade do ano, mas essa alta era esperada pelos economistas.

O boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, prevê que a inflação oficial fechará o ano em 4,63%, abaixo do teto da meta. As estimativas do mercado estão mais otimistas do que as oficiais.

A redução da taxa Selic ajuda a estimular a economia, pois juros mais baixos barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo. No último Relatório de Inflação, o Banco Central aumentou a projeção de crescimento da economia para 2023 em 2,9%. A redução das taxas de juros visa fortalecer a economia e promover o crescimento, mas pode dificultar o controle da inflação.