Por Kamila Schneider | Foto Divulgação/Ilustrativa Impulsionada pelo crescimento nas exportações, a balança comercial de Jaraguá do Sul registrou superávit comercial de US$ 34,4 milhões em maio, o melhor resultado dos últimos 22 meses. A última vez que o município atingiu um saldo superior foi em junho de 2015, com superávit de US$ 38,4 milhões. Aos poucos, o mercado local começa a retomar os resultados obtidos em períodos anteriores à crise econômica, tendência reforçada por um cenário de menor instabilidade este ano. De acordo com os números do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o saldo de maio representa mais do que o dobro registrado no mesmo período do ano passado, quando o município teve superávit de R$ 15,1 milhões. O resultado também caracteriza um crescimento de 54% frente a abril deste ano, na comparação mensal. O avanço na balança comercial de Jaraguá do Sul em maio foi possível graças ao aumento de 28% no volume de exportações no período, frente ao mês anterior. No total, a indústria jaraguaense exportou US$ 61,6 milhões no quinto mês do ano, um incremento de 53% na comparação anual. Assim como o saldo, a última vez que o município exportou um valor tão significativo foi em junho de 2015. A venda de motores e geradores elétricos, principal produto exportado pelo município, cresceu 32% em maio, frente ao resultado de abril. Ao todo, foram comercializados US$ 38,2 milhões pelo segmento no último mês. Na soma entre janeiro e maio, os motores e geradores totalizaram US$ 157,8 milhões em vendas, um incremento de 29% frente aos cinco primeiros meses de 2016. A representatividade do segmento também avançou, passando de 63,83% das exportações no ano passado para 67,26% este ano.   Capturar No que diz respeito às importações, maio registrou um aumento de 5,4% frente a abril e de 8,4% na comparação com maio de 2016, totalizando US$ 27,2 milhões em produtos importados. A principal matéria-prima adquirida pelo mercado local continua a ser os fios de fibras artificiais, utilizados pela indústria têxtil. Em maio, foram US$ 4,4 milhões de fios importados, somando US$ 14,8 milhões nos cinco primeiros meses do ano. Massaranduba tem superávit de US$ 283,7 mil Massaranduba voltou a ser destaque entre os quatro municípios da microrregião e fechou o mês de maio com superávit de US$ 283,7 mil. O montante é a diferença entre US$ 311,2 mil em exportações e US$ 27,4 mil em importações. Segundo os dados do MDIC, o saldo de maio representa um avanço de 81,6% frente ao mesmo mês do ano passado, quando o município teve superávit de US$ 156,1 mil. No acumulado do ano, a balança comercial de Massaranduba apresenta saldo de US$ 1,1 milhão. O município é responsável principalmente pela exportação de bens de capital (com exceção dos equipamentos de transporte para uso industrial), que representam quase 76% de todos os produtos comercializados no exterior. Este ano, a exportação de tratores no município quase dobrou de tamanho e já totaliza US$ 531,1 mil em produtos comercializados. Municípios apresentam queda nos resultados Os demais municípios da região apresentaram retração nos resultados durante o mês de maio. Em Corupá, uma queda de 78% nas exportações frente ao mês de abril ocasionou uma redução no saldo balança comercial, que passou de US$ 106,7 mil em abril para US$ 23,3 mil em maio. Trata-se do resultado mais baixo desde julho de 2015. Em Guaramirim, a balança registrou queda de 59% em maio, passando de US$ 40,8 mil em abril para US$ 16,6 mil em maio. O resultado é a diferença entre US$ 530 mil em exportações e US$ 513,3 mil em importações. Apesar da retração, o saldo de maio ainda é extremamente positivo frente ao total observado em maio do ano passado, quando o município teve déficit de US$ 222,5 mil. Schroeder foi o único município da microrregião a apresentar déficit no mês de maio, com saldo negativo de US$ 452,7 mil. Durante o período, foram US$ 753,5 mil importados pela indústria local, frente a um total de US$ 300,8 mil exportados. Os fios de fibras sintéticas continuam a ser a principal demanda da indústria local e este ano já respondem por 61,55% dos produtos importados, somando US$ 1,1 milhão em matéria-prima.