O auxílio-cidadão continua sendo o benefício eventual mais solicitado junto à Secretaria de Assistência Social e Habitação de Jaraguá do Sul.

A média mensal vinha se mantendo acima de três mil solicitações desde agosto do ano passado, o mês de fevereiro ficou um pouco abaixo, foram 2.880.

Mas, no comparativo com fevereiro de 2020, são 2.048 benefícios a mais, isso representa cerca de 240% de aumento na procura pelo benefício. Setembro foi o mês com o maior número concessões, 3.501.

Os valores que variam entre R$ 99,32 e R$168,84, estão sendo um fôlego a mais para muitas famílias em meio aos efeitos da pandemia no orçamento doméstico.

Em fevereiro a fatura Le Card (auxílio-cidadão), fechou no valor R$ 418,2 mil.

Segundo o secretário de assistência social e habitação, André de Carvalho Ferreira, neste ano, já foram investidos em torno de R$ 950 mil neste benefício.

“Os valores ajudam as famílias em situação de vulnerabilidade social, na compra de gêneros alimentícios, higiene e limpeza”.

Em relação aos meses anteriores, a Secretaria registrou uma leve queda no número geral de atendimentos e benefícios solicitados no mês de fevereiro, apesar de a demanda geral da pasta ainda continuar bastante alta.

A informação é da gerente de proteção social básica, Bruna Nagel Pauli.

Segundo ela, esta baixa na procura pode ser considerada atípica, um fato isolado, tendo em vista que a tendência é de aumento nos atendimentos e concessões a partir deste mês.

Em 2020, a Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria de Assistência Social e Habitação, concedeu 29.586 benefícios, um aumento de mais de 130% em comparação com 2019.

Em função da pandemia, os atendimento para a solicitação do auxílio junto aos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) do município devem ser feitos mediante agendamento prévio por telefone, isso para evitar aglomerações.

Em caso de impossibilidade de comparecimento, a recomendação é para que a pessoa desmarque o compromisso com, pelo menos, 24 horas de antecedência.

Assim, os técnicos da secretaria terão tempo hábil para a substituição do atendimento. No mês de fevereiro, o percentual médio de faltas foi de 11,75%, índice considerado alto.

“Isso acaba prejudicando, porque impede o atendimento de outras pessoas”, alerta a gerente de proteção social básica, Bruna Nagel Pauli.

O benefício pode ser solicitado por famílias com até meio salário mínimo de renda per capita, em situações de risco e vulnerabilidade social.

O recurso deve ser utilizado na compra de gêneros alimentícios e produtos de higiene e limpeza, em mercados credenciados, mediante a comprovação de renda e de moradia em Jaraguá do Sul.

A liberação do benefício é feita por meio de atendimento técnico com assistentes sociais, nos Centros de Referência e Assistência Social (Cras).