De olho na situação da pandemia de Covid-19 em Santa Catarina, em situação gravíssima, a Associação Brasileira dos Shopping Centers (Abrasce) emitiu um comunicado público defendendo a imposição de um toque de recolher no estado, evitando assim o fechamento total do comércio.

A proposta tem sido divulgada pelo coordenador da entidade em Santa Catarina, Walther Biselli Junior, em oposição a proposta de fechamento do comércio - defendida por infectologistas.

Segundo o coordenador, a contaminação está se dando à noite, em festas clandestinas e outras formas de aglomeração sem a observância das regras, bem longe dos shoppings e outras formas de comércio varejista.

"Insistimos na tese de que o shopping não é um ambiente contaminante. Estamos vivendo um momento de desrespeito e devemos utilizar o conceito do radar nas estradas, o radar está ali, verifica todo mundo, mas só penaliza quem infringi a lei. O toque de recolher deve seguir a mesma lógica e multar quem infringir as regulamentações, não apenas pesando no bolso de empresas, mas também de todas as pessoas que forem pegas descumprindo o toque de recolher, sem justificada necessidade”. Afirma.

A Abrasce reforça ainda que tem participado de movimentos pela vacina, para pressionar o governo a comprar vacinas e acelerar o processo de imunização da população, em defesa da vida.