Passados três meses sucessivos de resultados negativos culminando no pior mês do ano em agosto, Jaraguá do Sul retomou a geração de emprego em setembro, com saldo positivo de 203 postos de trabalho, segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Com 1.907 admissões e 1.704 desligamentos, o resultado do mês ainda está aquém de recuperar as perdas sentidas desde junho: ao todo, os meses de junho, julho e agosto resultaram na perda de 586 postos de trabalho com carteira assinada no município - 406 destes perdidos em agosto.

O resultado do mês foi fortemente influenciado pelos setores do comércio, que gerou 105 postos formais, da indústria, com 65, e serviços, com 42.

Em contrapartida, resultados negativos foram registrados  nos setores de construção civil, com perda de 29 postos, extração mineral, com perda de dois, e agropecuária, com o fechamento de um posto de trabalho.

Embora positivo, o saldo foi mais fraco do que o visto em setembro passado: em 2017, Jaraguá do Sul registrou a criação de 287 novos postos de trabalho no mês, com um numero maior de  admissões (1.950) e um número menor de desligamentos (1.663).

Em 2016, por outro lado, o resultado para o mês foi muito mais tímido: apenas 11 postos novos foram criados.

O ano segue com saldo fortemente positivo: desde janeiro, o município criou 2.025 postos formais. Desde janeiro, apenas um setor registra resultado negativo no acumulado do ano: o de extração mineral, que perdeu sete dos 41 postos de trabalho com carteira assinada que tinha no começo do ano.

País registra melhor resultado para o mês em cinco anos

A criação de empregos com carteira assinada atingiu em setembro o melhor nível para o mês desde 2013: 137.336 postos formais de trabalho foram criados no último mês.

A última vez em que a criação de empregos tinha superado esse nível tinha sido em setembro daquele ano, quando as admissões tinham superado as dispensas em 211.068. A criação de empregos totaliza 719.089 de janeiro a setembro e 459.217 nos últimos 12 meses.

O mês viu 1,234 milhão de contratações e 1,097 milhão de desligamentos. O setor com melhor saldo para setembro foi o de serviços, com 60.691 postos gerados, seguido pela indústria de transformação, com 37.449 postos, e o comércio, com 26.685 postos.

Apenas um setor registrou saldo negativo no mês: a agropecuária, com perda de 2.688 trabalhadores com carteira assinada.

Todas as cinco regiões brasileiras criaram empregos com carteira assinada em setembro. O Nordeste liderou a abertura de vagas, com 62.177 postos, seguido pelo Sudeste (38.933 vagas). Foram abertos 18.063 postos no Sul, 10.262 no Norte e 7.901 no Centro-Oeste.

Saldos positivos na região

Assim como Jaraguá do Sul, a região fechou o mês de setembro com saldos positivos na geração de emprego.

Em Guaramirim, setembro contou com 405 admissões e 355 desligamentos, encerrando o período com a abertura de 50 novos postos de trabalho. O resultado foi puxado pelo setor de serviços, que fechou o mês com saldo positivo de 31 postos.

Em Massaranduba, foram criados 45 postos de trabalho, com 194 contratações e 149 contratos encerrados. O resultado foi quase que completamente carregado pela indústria: o setor foi responsável por 150 contratações e 100 desligamentos, com um saldo positivo de 50 postos de trabalho no setor.

Corupá viu a geração de 32 empregos formais: foram 157 novos contratos de trabalho e 125 que chegaram ao seu fim. O padrão visto em Massaranduba se repetiu em Corupá.

Deste montante, 109 admissões e 73 desligamentos vieram da indústria de transformação, setor que encerrou o mês com saldo de 36 empregos.

O saldo mais fraco ficou por conta de Schroeder, ainda positivo. O município viu a geração de 16 empregos formais, após 154 admissões e 138 desligamentos. O resultado mais fraco no município ficou por conta da indústria, que perdeu 10 postos de trabalho.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?