Na noite desta terça-feira (13), perante o empresariado de Jaraguá do Sul e região,  e o Conselho Superior da entidade, o engenheiro e empresário Anselmo Ramos tornou-se o 31º presidente da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul (Acijs), sucedendo Giuliano Donini no papel.
Ramos assume a árdua tarefa de servir como ponte entre o longo histórico da entidade e o futuro, usando do conhecimento e da experiência obtida nas últimas oito décadas de associativismo para guiar a entidade ante as necessidades da era digital - ao mesmo tempo em que há de criar sua marca na história da entidade, sem criar uma ruptura com o legado que assume.
Para o empresário, a missão que assume é de suma importância. "Estamos em um momento em que o país começa a repensar a forma de fazer as coisas, de pensar sua economia e sua gestão, depois da situação em que chegamos nos últimos anos", comenta.  Ramos toma para si o trabalho de dar continuidade não só ao papel da Acijs no associativismo, representando o empresariado em 14 núcleos setoriais, mas também seu papel comunitário, com um histórico de participação na vida comunitária de Jaraguá do Sul.
Ramos assume o cargo sob o olhar atento da categoria e um histórico de influência a ser mantido. "O Anselmo sempre foi uma pessoa muito dedicada, com certeza vai fazer uma boa representação junto à classe empresarial e à comunidade", comenta o presidente do grupo Mime, Paulo Chiodini.
&t=7s
Diretoria Gestão 2018-2019
Presidente: ANSELMO LUIZ JORGE RAMOS
Vice-Presidente Administrativo: TIAGO COELHO PRZYWITOWSKI
Vice-Presidente Financeiro: ANGELO SPÉZIA NETO
Vice-Presidente de Articulação Institucional: SAMUEL PIAZERA TARANTO
Vice-Presidente da Comunidade: ELISANE BENDER DE FREITAS
Vice-Presidente de Desenvolvimento Empresarial: CLÉCIO FÁBIO ZUCCO
Vice-Presidente de Segurança: LUIZ CARLOS BUZZARELO
Vice-Presidente de Micro e Pequenas Empresas: RAPHAEL CAVALCANTI
Vice-Presidente de Núcleos Setoriais: ODAIR JOSÉ BORGES DE FREITAS
Vice-Presidente de Marketing: LUIS HUFENÜSSLER LEIGUE
Coordenadores dos núcleos setoriais
Núcleo de Agências de Comunicação: Ricardo Rodermel
Núcleo de Automecânicas: Claudinei Jose Melchioretto
Núcleo de Concessionárias de Veículos: Dann Charles da Silva
Núcleo de Farmácias de Manipulação: Flavio Henrique de Araujo
Núcleo de Gestão e Qualidade: Adriano Minelli
Núcleo de Hospitalidade: Cintia Buzian
Núcleo de Jovens Empreendedores: Ricardo Fripp
Núcleo de Metalmecânica: Jefferson Matias Deretti
Núcleo da Mulher Empreendedora: Renate Jensen
Núcleo de Panificação e Confeitaria: Valdemir Michels
Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho: Marcos R. Seraphim
Núcleo de Sustentabilidade Corporativa: Bruna Marcella da Silva
Núcleo de Terraplenagem: Adilson Odorizzi
Núcleo das Transportadoras: Jean Ademir Garcia
Em seus quase 80 anos, Acijs teve papel central no desenvolvimento regional
Fundada em 1938 por um grupo de empresários liderado por Arthur Breithaupt e Waldemar Grubba, a Acijs historicamente desempenha um papel que vai além dos interesses diretos de seus segurados - papel este definido pelo ex-presidente, Giuliano Donini, como "preocupação com a entidade da porta para fora". Ao longo dos anos, a Acijs usou de sua influência para representar a comunidade junto ao poder público. Na década de 50, a entidade exerceu sua influência para trazer a primeira agência do Banco do Brasil para a cidade. Na década de 60, lutou pela infraestrutura e o fornecimento de energia elétrica. Nas décadas seguintes, formaria múltiplas comissões para defender os interesses da classe empresarial e pleitear melhorias para o município.
Entre os projetos sociais de maior destaque no histórico da entidade está a recuperação do Hospital e Maternidade São José, em 2004, com uma comissão da entidade tomando papel central no processo de modernização do hospital - hoje tido como referência na região Sul do Brasil. A Acijs assumiu em 2004 a gestão compartilhada até a formação da Associação Hospitalar São José, presidida por Vicente Donini, ex-presidente da Acijs, em 2010, que assumiu gestão plena em 2015.
No ano passado, a Acijs fortaleceu seus laços com entidades comunitárias, com o serviço de assessoria de conselhos e núcleos comunitários, “Os conselhos e comitês têm uma importância muito grande na vida da cidade e são previstos legalmente, dando voz ativa à comunidade por meio desta representatividade em questões diversas. Para a classe empresarial, é uma garantia de debate amplo nos temas que dizem respeito ao desenvolvimento com sustentabilidade", ressalta Frederico Hubner, assessor jurídico do Centro Empresarial de Jaraguá do Sul, responsável por coordenar o assessoramento da Acijs junto à estes órgãos.
Outro projeto, em andamento e tido tanto pelo novo presidente como por seu antecessor como uma pauta crucial para o desenvolvimento de Jaraguá do Sul é o Centro de Inovação, ampliando o eixo econômico do município. Para o novo presidente, a inovação é essencial para manter a cidade competitiva e fortalecê-la como um dos pólos econômicos de Santa Catarina.
Na gestão que se encerrou ontem, a entidade frisou pedidos de gestões anteriores junto aos governos federal e estadual para a melhoria da infraestrutura, com atenção à duplicação da BR-280, em projetos de mobilidade no município e região (rodovias estaduais e trechos urbanos), na ampliação do efetivo e melhoria das condições das polícias civil e militar, e na implantação da 12a Região de Polícia Militar, buscando maior autonomia do comando militar no vale do Itapocu. É este legado que Anselmo assume a tarefa de manter - tarefa que, segundo ele, tem papel fundamental neste momento econômico.
Da presidência, Donini segue para o Conselho Superior
A saída de Giuliano Donini da presidência da entidade não significa o fim de seu papel na associação. Como ex-presidente da Acijs, o presidente do grupo Marisol segue para o Conselho Superior da entidade, junto ao pai e ao tio, assim como outros ex-presidentes da entidade. O conselho se reúne mensalmente para auxiliar nas decisões da instituição, e quando há algum tema que exija uma reunião específica para tomadas de decisões mais estratégicas.
Conselho Superior da ACIJS, formado por ex-presidentes
Rodolfo Francisco Hufenüssler
Pedro Donini
Bruno Breithaupt
Oswaldo Pereira
Alidor Lueders
Sigolf Schünke
Gilmar Antônio Moretti
Vicente Donini
Décio da Silva
Roberto Breithaupt
Christiane Hufenüssler
Paulo Luiz da Silva Mattos
Paulo Rubens Obenaus
Paulo César Chiodini
Guido Jackson Bretzke
Durval Marcatto Junior
Monika Hufenüssler Conrads
Giuliano Donini
Cejascred: cooperativa é outro braço da Acijs na economia municipal
O papel da Acijs no associativismo tem outras manifestações além da própria entidade. Um desses braços é a Cejascred, cooperativa de crédito fundada no final de 2009 como parte de um projeto da Acijs - e da qual o novo presidente da associação é um dos conselheiros. Segundo o presidente da cooperativa, Gentil Marció, a cooperativa e o associativismo empresarial estão ligados intimamente. "Este é um projeto gestado, nascido e apoiado pela Acijs", conta.
A ideia veio como solução para um problema grave na época: nenhuma das cooperativas de crédito que operavam em Jaraguá do Sul na época era de fato jaraguaense. "Tinhamos essa demanda por uma cooperativa local e eu tomei a iniciativa de propor a abertura de uma cooperativa ligada à associação", explica Marció.
Buscando viabilizar o projeto, a Acijs estudou diferentes sistemas de cooperativas financeiras antes de optar pela bandeira do Sicoob, "Uma decisão que se revelou muito acertada", conta Marció, destacando que hoje o sistema Sicoob é o maior sistema de cooperativas do país - e a quinta maior instituição financeira. O passo seguinte para viabilizar a cooperativa foi buscar recursos. "Fizemos um levantamento de pessoas físicas, associações e empresas que poderiam se tornar clientes e juntamos cerca de 100 cooperados que viraram sócios-fundadores", explica. Destes fundadores, foram arrecadados R$ 900 mil para abrir a cooperativa.
"Na época, a cooperativa surgiu com a intenção de trazer melhores condições para as empresas de Jaraguá do Sul e ampliar a competitividade destas empresas", conta o empresário Paulo Chiodini, membro do conselho diretor da cooperativa. "É um negócio que beneficia não só o empresariado, mas toda a comunidade, pois os lucros da cooperativa retornam para os cooperados e ficam em Jaraguá do Sul, incentivando o desenvolvimento das empresas e por extensão do município", explica.
Cejascred, fundada em 2009, já reúne 2.400 associados. No detalhe, o presidente Gentil Marció. Cooperativa patrocinou a cerimônia de posse do novo presidente | Foto Divulgação
Hoje, mais de 2.000 associados
Hoje, a Cejascred conta com cerca de 2.400 associados, compostos primariamente por pequenas e médias empresas. Por conta deste perfil, é raro que os associados em si se façam presentes na sede, optando por fazer suas operações financeiras por intermédio de secretários e advogados.
No entanto, a cooperativa atende todos os segmentos do mercado financeiro, e para pessoas físicas, a escala menor e a praticidade acabam por ser um atrativo para quem se vê um tanto intimidado com os bancos ou que busca um atendimento mais ágil e com menos espera. Caso este do vendedor Gustavo Luis Bussolaro, filho do ex-presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), Neivor Bussolaro. "Meu pai é cooperado por conta dos serviços da empresa, mas eu uso mais como pessoa física e para serviços de seguradora, pois acho mais prático aqui, não é tão cheio", comenta.
Outra vantagem para cooperados é a participação nos lucros. "Quem abre uma conta em um banco é só um correntista, mas para os cooperados é diferente, pois há participação nos lucros", conta Marció. Este fator fez com que a cooperativa tivesse um bom desempenho nos dois anos de crise, pois o retorno aos cooperados fez das cooperativas uma opção mais agradável do que os bancos.
Atualmente, Jaraguá do Sul conta com cinco agências ligadas ao sistema Sicoob. Das cinco, apenas duas são propriamente de Jaraguá do Sul, sendo as duas parte da Cejascred. "Temos planos para abrir mais uma agência no próximo ano, com pedidos de várias comunidades para servir de local para a terceira unidade", conta Marció, que ressalta que a cooperativa pretende se manter em Jaraguá do Sul. "Temos a possibilidade de futuramente atender as cidades da região, como Guaramirim e Schroeder, no futuro, mas nossos planos são de nos fortalecermos em Jaraguá".
Em abril, a cooperativa realiza assembléia para definir como será feito o pagamento dos lucros do ano para os cooperados com cotas de participação. Visando transparência, a instituição divulga semestralmente os resultados financeiros e contábeis.